CAÇAS SUKHOI-35 DO EGITO SÃO VENDIDOS AO IRÃ DEVIDO A PRESSÃO DOS EUA

O Comandante em Chefe da Força Aérea Iraniana General Vahedi confirmou em um programa televisionado que o Irã está comprando os caças Sukhoi Su-35E da Rússia, e que vinte e quatro das aeronaves são do Egito que ainda não foram entregues devido à pressão dos Estados Unidos. O general Vahedi também explicou que pelo menos 64 Su-35s serão adquiridos da Rússia.

Em dezembro do ano passado, o Irã e a Rússia assinaram um acordo de segurança e defesa de 20 anos sob o qual um acordo de armas de 10 bilhões de dólares foi alcançado em janeiro deste ano. O acordo prevê o fornecimento de 24 Su-35 e dois S-400 de superfície para sistemas de defesa aérea. O Irã recebeu os Su-35 pela primeira vez em outubro de 2021, durante a visita do major-general Pasdar Mohammad Bagheri, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Irã a Moscou, no entanto, nenhum acordo foi alcançado na época devido a restrições de fundos no lado iraniano. .

Em dezembro do ano passado, o Irã e a Rússia assinaram um acordo de segurança e defesa de 20 anos sob o qual um acordo de armas de 10 bilhões de dólares foi alcançado em janeiro deste ano. O acordo prevê o fornecimento de 24 Su-35 e dois S-400 de superfície para sistemas de defesa aérea. O Irã recebeu os Su-35 pela primeira vez em outubro de 2021, durante a visita do major-general Pasdar Mohammad Bagheri, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Irã a Moscou, no entanto, nenhum acordo foi alcançado na época devido a restrições de fundos no lado iraniano. .

Na época, a Rússia esperava vender pelo menos onze dos 24 jatos para a Indonésia, que é um usuário de longa data dos jatos cobat da série Sukhoi, no entanto, o governo da Indonésia foi pressionado pelos Estados Unidos a rejeitar o acordo. No acordo com o Irã, Teerã destinou US$ 3 bilhões em barris de petróleo bruto em troca dos Su-35E, além do acordo de armas de US$ 10 bilhões. Como parte do acordo, a Rússia também realizará serviços de extensão de vida e revisão dos 23 caças MiG-29 do Irã e 25 aeronaves de ataque Su-24MK.

Uma instalação MRO está sendo construída no aeroporto de Mehrabad para esta finalidade. Cerca de 30 pilotos da IRIAF serão enviados à Rússia para treinamento e conversão para o novo Su-35S.

Atualmente, a Força Aérea Iraniana possui 304 aviões de combate, metade dos quais estão operacionais ao mesmo tempo. Cento e oitenta e um deles foram herdados da Força Aérea Imperial Iraniana, que os comprou dos EUA nas décadas de 1960 e 1970, e têm mais de quatro décadas. Entre eles, os 60 caças F-4D/E Phantom 2, com cerca de cinco décadas, são os que mais precisam de substituição por caças avançados.

Embora o Irã tenha conseguido complementar suas capacidades da Força Aérea com um pequeno número de MiG-29, Mirage F1, Chengdu J-7, bem como alguns F-5 de engenharia reversa.

O Sukhoi Su-35 é um caça de 4,5 geração baseado no sucesso Su-27. A aeronave apresenta atualizações significativas em seus sistemas de aviônicos e armas. É também uma das poucas aeronaves produzidas em massa com bicos de motor vetoriais de empuxo, um sistema projetado para melhorar a manobrabilidade e controlabilidade em baixas velocidades.

Se adquirido pelo Irã, o Su-35 constitui uma atualização significativa para o inventário da força aérea do país.

O Egito, por outro lado, está tentando reduzir sua dependência do equipamento militar dos EUA. No final de 2014, o Egito começou a negociar a compra dos caças russos MiG-29M2, helicópteros Ka-52 e sistemas de mísseis antibalísticos Antey-2500. Em 2015, o Egito concluiu um acordo com a França para adquirir caças Rafale e uma fragata FREMM. O Egito também pagou US$ 2 bilhões pela compra do caça russo Su-35 em outubro de 2018.

Em maio de 2020, a fábrica de aeronaves Gagarin da Rússia em Komsomolsk-on-Amur iniciou a produção em série do novo e avançado caça multifuncional Su-35 super flanker do Egito. Duas aeronaves Su-35E com os números 9211 e 9212 pertencentes ao Egito voaram pela primeira vez após a conclusão da construção na fábrica de aeronaves Komsomolsk-on-Amur pertencente à Russian United Aircraft Corporation. Mais tarde, eles foram transferidos para as bases aéreas de Irkutsk-2 e Ramenskoye, perto de Moscou, para serem submetidos a testes adicionais e após a conclusão do treinamento. Pilotos e técnicos egípcios também foram treinados.

O acordo com o Su-35 ocorre em meio à crescente pressão dos EUA sobre países do mundo todo para não comprarem armas produzidas na Rússia. Como o primeiro lote de seis Sukhoi-35S estava pronto para ser entregue, o governo dos EUA ameaçou o Cairo com sanções contra suas forças armadas. A maioria dos sistemas de armas do Egito são feitos pelos Estados Unidos da América. A CAATSA exige que os EUA sancionem qualquer país que realize transações com serviços militares e de inteligência russos, incluindo fabricantes de armas.

O governo dos Estados Unidos estava preocupado com o que chamou de “aprofundamento do relacionamento do Cairo com Moscou e, em um aparente aviso ao Egito, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que “deixamos claro que, se esses sistemas fossem comprados, o estatuto A CAATSA exigiria sanções ao regime.”

O Egito comprou 12 caças Rafale da França em vez de caças Sukhoi-35 SE.

Posteriormente, os EUA ofereceram ao Egito a chance de adquirir a aeronave F-15 Eagle . O general Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, disse ao Comitê de Serviços Armados do Senado em 15 de março que acredita que os EUA fornecerão caças F-15 para o Egito.

“No caso do Egito, acho que temos boas notícias, pois vamos fornecer a eles F-15”, disse o general Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, ao Comitê de Serviços Armados do Senado. “Foi um trabalho longo e difícil” para obter tal acordo, acrescentou.

O general McKenzie, que estava testemunhando aos legisladores ao lado do general Stephen Townsend, chefe do Comando da África dos EUA, sobre o status de suas respectivas áreas de responsabilidade, no entanto, não deu detalhes sobre o número de aeronaves ou o preço.

Os Sukhoi Su-35 teriam complementado o Dassault Rafales do Egito, que Cairo havia assinado um acordo com a França para a compra de  30 caças Rafale adicionais no valor de 3,75 bilhões de euros (US$ 4,5 bilhões) para complementar  os 24 Rafales adquiridos há seis anos.

Fonte: Military Africa

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.