ESTADOS UNIDOS NÃO CONSEGUIRAM IMPEDIR QUE A FLOTILHA DO IRÃ CRUZASSE O CANAL DO PANAMÁ

TEERÃ, 14 de maio (MNA) – Os Estados Unidos falharam em impedir que a 86ª flotilha de navios de guerra da Marinha iraniana navegasse pelo Canal do Panamá, relata o comandante da Marinha, contra-almirante Shahram Irani, enquanto a flotilha atraca no porto de Salalah, em Omã.

Irani disse que a “arrogância global” tentou bloquear a missão da flotilha por meio de ameaças e sanções, mas não conseguiu.

“A sanção [dos Estados Unidos] não passou de um discurso retórico baseado no direito internacional. Eles não conseguiram nem impedir que a flotilha navegasse para o Canal do Panamá… Isso foi mais um tapa na cara do Grande Satã”, disse ele à agência de notícias Fars no sábado.

IRINS Makran

Pela primeira vez na história naval do Irã, a 86ª flotilha, composta por navios de guerra Dena e Makran, empreendeu uma longa viagem ao redor do mundo e navegou nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico sem contar com a ajuda da costa.

Ele partiu da cidade portuária de Bandar Abbas, no sul do Irã, no Golfo Pérsico, em 20 de setembro de 2022. Agora, no 236º dia de sua viagem, a flotilha atracou no porto de Salalah, em Omã, como sua última parada.

A flotilha viajou cerca de 63.000 quilômetros e cruzou o equador quatro vezes. Chegará a Bandar Abbas viajando mais 2.000 quilômetros.

Em 3 de fevereiro de 2023, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA identificou os navios de guerra Dena e Makran como propriedade iraniana para sanções relacionadas a um esforço mais amplo para atingir a indústria de drones do país.

Em outra parte de sua entrevista, o comandante da Marinha disse que a França alegou que os navios de guerra iranianos haviam entrado em suas águas.

No entanto, acrescentou, os franceses ficaram sem palavras quando a flotilha os lembrou de suas próprias regras de navegação.

“Os franceses têm algumas ilhas no Oceano Pacífico. Infelizmente, eles não conheciam suas próprias regras e nos causaram transtornos, aos quais respondemos com a linguagem da lei”, explicou.

“O recente incidente foi um grande golpe para os franceses no campo da navegação internacional, e eles nunca falaram sobre isso.”

Fonte: Mehr News

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *