HUNGRIA NÃO É MAIS UMA DEMOCRACIA PLENA, DIZ PARLAMENTO EUROPEU

Deputados apoiam resolução afirmando que país liderado por Viktor Orbán se tornou ‘regime híbrido de autocracia eleitoral’

A Hungria não pode mais ser considerada uma democracia plena, disse o Parlamento Europeu em uma poderosa votação simbólica contra o governo de Viktor Orbán.

Numa resolução apoiada por 81% dos deputados presentes para votar, o parlamento afirmou que a Hungria se tornou um “regime híbrido de autocracia eleitoral”, citando uma ruptura na democracia, nos direitos fundamentais e no Estado de direito.

Embora a votação não tenha efeito prático, aumenta a pressão sobre as autoridades da UE em Bruxelas para não desembolsar bilhões em dinheiro da UE para a Hungria, que está sendo retido por preocupações com corrupção.

A Hungria está lutando para convencer a Comissão Europeia a liberar € 4,64 bilhões em fundos de recuperação da Covid, congelados por mais de um ano. Budapeste também está tentando evitar um procedimento legal separado que poderia levar a deduções de € 24,3 bilhões de fundos de coesão, dinheiro para infraestrutura e desenvolvimento econômico.Propaganda

A Comissão Europeia deverá propor o corte de 70% dos fundos de coesão da Hungria no domingo, mas também abrirá a porta para um compromisso, segundo dois eurodeputados familiarizados com as discussões. “Mais ou menos o que ouvimos é que a comissão irá propor… essas sanções ou medidas financeiras”, disse Moritz Körner, um eurodeputado alemão, que foi informado pela comissão.

Em um documento interno recente, funcionários da comissão sugeriram que havia um risco “muito significativo” sobre a gestão dos fundos da UE pela Hungria, citando violações das regras de interesse público e um número incomumente alto de contratos concedidos a um único licitante – uma bandeira vermelha para observadores de transparência. O documento, que foi retirado do site da comissão, sugere um corte de 70% nos fundos como “proporcional” ao risco.

A Hungria terá até meados de novembro para colocar sua casa em ordem. Depois de uma ofensiva de charme em Bruxelas, o governo da Hungria deve na próxima semana propor uma série de leis para combater a corrupção. Os críticos temem que a comissão esteja pronta para aceitar mudanças cosméticas para acalmar os conflitos sobre os fundos da UE.

Victor Orbán

“A comissão fez um acordo tímido com o governo húngaro sobre o tipo de mudança que eles querem ver”, disse Daniel Freund, um eurodeputado verde alemão, também informado sobre os planos da comissão. “Há um prazo muito curto e … esperar que o dano que Orbán causou com [sua] maioria constitucional ao longo de 12 anos possa agora ser reparado em questão de semanas ou alguns meses, acho otimista colocar isso suavemente.”Propaganda

Orbán está no cargo desde 2010 e deteve uma maioria parlamentar de dois terços durante grande parte desse tempo.

Um porta-voz da Comissão Europeia se recusou a comentar, mas disse que está analisando “as medidas corretivas” apresentadas pela Hungria e tem até 21 de setembro para determinar o próximo passo.

A resolução do Parlamento Europeu, que aponta para “os riscos de clientelismo, favoritismo e nepotismo na administração pública de alto nível”, dificultará, no entanto, qualquer redução da proteção dos fundos da UE.

Gwendoline Delbos-Corfield, a eurodeputada francesa que redigiu a resolução, descreveu as conclusões como claras e irrevogáveis. “A Hungria não é uma democracia. Era mais urgente do que nunca que o parlamento tomasse essa posição, considerando a taxa alarmante em que o estado de direito está retrocedendo na Hungria”.

Acrescentou que “a grande maioria dos eurodeputados que apoiam esta posição no Parlamento Europeu é sem precedentes”. Dos 534 deputados presentes à votação em Estrasburgo, 433 votaram a favor, 123 contra e 28 abstiveram-se.

Respondendo à votação, o porta-voz-chefe da Hungria, Zoltán Kovács, disse que o Parlamento Europeu “faria melhor se concentrar nos preços da energia que triplicaram e quadruplicaram devido às sanções fracassadas”, reprisando a crítica de seu governo às medidas restritivas da UE contra a Rússia.

A grande maioria foi auxiliada pela decisão de Orbán em 2021 de deixar a família política do centro-direita da Europa, o Partido Popular Europeu (PPE). O PPE já havia oferecido ao partido Fidesz, da Hungria, alguma proteção contra votos críticos, mas Orbán retirou seu partido antes de ser expulso por deputados de centro-direita.

A votação ocorre quase exatamente quatro anos depois que os eurodeputados votaram para desencadear uma ação disciplinar contra a Hungria , uma decisão que, em última análise, está nas mãos dos outros 26 estados membros da UE, que em sua maioria mostraram pouco apetite por conflito com Budapeste.

Os eurodeputados, que não têm poder para negar fundos à Hungria, culparam o Conselho de Ministros da UE e a Comissão Europeia por alegada inação, um ponto esclarecido na resolução. Os eurodeputados lamentaram profundamente que a falta de uma ação decisiva da UE tenha contribuído para o colapso da democracia, do Estado de direito e dos direitos fundamentais na Hungria, transformando o país num regime híbrido de autocracia eleitoral.

A conclusão condenatória do parlamento foi baseada em relatórios de órgãos pertencentes ao Conselho da Europa, bem como na jurisprudência do tribunal de justiça da UE e do tribunal europeu de direitos humanos separado.Propaganda

Os eurodeputados também citaram o veredicto da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que informou em abril que a eleição da Hungria, que devolveu Orbán ao poder por um quarto mandato consecutivo, foi “manchada pela ausência de condições equitativas”. A OSCE enviou uma missão completa à Hungria, um passo quase sem precedentes para um estado membro da UE.

O relatório também observou as preocupações dos juízes húngaros sobre a independência judicial em seu país, após inúmeras mudanças do governo Orbán, incluindo a nomeação de juízes da Suprema Corte fora dos procedimentos normais.

A medida foi contestada por deputados de partidos eurocéticos e de extrema-direita. Em uma declaração incluída no projeto de resolução, eles argumentaram que as conclusões foram “baseadas em opiniões subjetivas e declarações politicamente tendenciosas” que refletiam “preocupações vagas, julgamentos de valor e padrões duplos”.

Estes deputados alegaram ainda que o relatório se baseava em “casos já há muito resolvidos pelos órgãos responsáveis, ou que dizem respeito a questões que fazem parte do debate público e são da competência exclusiva dos Estados membros”.

Fonte: The Guardian

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.