GUERRA LIDERADA PELA ARÁBIA SAUDITA CONTRA O IÊMEN JÁ MATOU MAIS DE 3.000 CRIANÇAS

A yemeni girl waits as others fill their jerrycans with water at a makeshift camp for the internally displaced, in the northern Hajjah province on June 4, 2022 amid severe heatwave and acute water shortage. (Photo by ESSA AHMED / AFP)

Um grupo de direitos humanos diz que a guerra de quase oito anos liderada pela Arábia Saudita no Iêmen custou a vida de mais de 3.000 crianças.

Em um relatório divulgado no domingo, a Coalizão do Iêmen para Monitorar Violações de Direitos Humanos, também conhecida como Coalizão ‘Rasad’, disse que documentou o assassinato de 3.182 crianças, incluindo 2.795 homens e 387 mulheres, em várias regiões.

Eles perderam a vida devido ao bombardeio inimigo implacável contra 20 províncias, disse o grupo, acrescentando que mais de 970 crianças foram mortas por artilharia e ataques aéreos, e pelo menos 1.580 menores foram mortos nas frentes de batalha.

Segundo o relatório, 250 crianças foram mortas por balas reais e mais de 150 por explosões de minas terrestres. Nove crianças foram mortas sob tortura.

Mais de 2.800 crianças ficaram feridas. Eles não têm acesso a instalações médicas para tratamento, disse o grupo de monitoramento.

Em outubro de 2021, a agência das Nações Unidas para a infância, UNICEF, disse que 10.000 crianças iemenitas foram mortas ou mutiladas desde que o regime de Riad lançou a guerra em março de 2015. Um total de 11 milhões de crianças precisam de assistência humanitária, com 400.000 sofrendo de graves desnutrição aguda.

Grupos internacionais de direitos humanos disseram repetidamente que matar crianças é crime de guerra.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita admitiu em várias ocasiões cometer erros devido a erros técnicos ou inteligência ruim. Em alguns incidentes, a coalizão negou a responsabilidade.

Nenhuma investigação internacional foi realizada sobre crimes de guerra cometidos pela coalizão.

Os Estados Unidos e alguns países ocidentais não pararam de apoiar a coalizão com inteligência, logística e acordos de armas colossais.

O objetivo da guerra era reinstalar o regime amigo de Riad de Abd Rabbuh Mansur Hadi e esmagar o movimento de resistência Ansarullah do Iêmen, que vem administrando assuntos de Estado na ausência de um governo funcional no Iêmen. A coalizão não conseguiu atingir nenhum de seus objetivos.

E a guerra matou centenas de milhares de iemenitas e gerou a pior crise humanitária do mundo.

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.