CAÇAS SU-57 DA RÚSSIA E J-20 DA CHINA PODERÃO FAZER PARTE DA PRÓXIMA PATRULHA AÉREA ESTRATÉGICA CONJUNTA

No primeiro movimento, a emissora estatal da China revelou no domingo que a Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China (PLA) enviou caças como escolta para bombardeiros chineses e russos durante a patrulha aérea estratégica conjunta regular da semana passada na região Ásia-Pacífico pelos dois grandes potências, com especialistas dizendo que caças mais avançados, como o J-20 da China e o Su-57 da Rússia, podem se juntar à patrulha na próxima vez.

Pela primeira vez, os caças J-16 da China foram vistos participando de uma patrulha conjunta China-Rússia, informou a China Central Television (CCTV) no domingo, mostrando uma foto mostrando dois J-16 voando ao lado de um bombardeiro chinês H-6K e um bombardeiro russo Tu-95MS.


Dois caças J-16 chineses realizam uma missão de escolta para um bombardeiro chinês H-6K e um bombardeiro russo Tu-95MS durante uma patrulha estratégica conjunta China-Rússia sobre o Mar do Japão, o Mar da China Oriental e o Pacífico Ocidental em maio 24, 2022.

A patrulha conjunta a que se refere o relatório da CCTV foi realizada pelas forças aéreas dos dois países acima do Mar do Japão, do Mar da China Oriental e do Pacífico Ocidental na terça-feira. Ele marcou a quarta patrulha conjunta desse tipo desde 2019, com o objetivo de examinar e aprimorar a interoperabilidade das forças aéreas chinesa e russa e aumentar a confiança mútua estratégica e a cooperação pragmática entre os militares dos dois países, disse o coronel sênior Wu Qian, um porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, na quarta-feira.

Foi a primeira vez que a China revelou informações detalhadas sobre o envio de caças para escolta durante uma patrulha conjunta China-Rússia, disse um especialista militar chinês ao Global Times no domingo, pedindo anonimato.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que enviou caças Su-30SM para escolta, então a implantação do J-16 da China foi um acordo recíproco, disse o especialista.

Como os bombardeiros estratégicos não são projetados para se envolver em combate ar-ar, ter caças como escolta também é orientado para o combate, disseram analistas, observando que tanto o J-16 da China quanto o Su-30 da Rússia são caças pesados ​​que podem contribuir para a prontidão de combate da patrulha conjunta em geral.

De acordo com a foto, cada J-16 carregava dois mísseis de combate de curto alcance PL-10, apontou o especialista anônimo, observando que o J-16 também pode transportar mísseis ar-ar de longo alcance.

O J-16 é caracterizado por seu longo alcance, motores duplos, assentos duplos, grande capacidade de combustível e capacidade de reabastecimento em voo, por isso é muito adequado para missões de escolta de longo alcance, disse o especialista.

O Estado-Maior Conjunto do Ministério da Defesa do Japão afirmou que a Força de Autodefesa Aérea do Japão monitorou a patrulha conjunta China-Rússia, mas seu comunicado de imprensa na terça-feira não mencionou a presença dos J-16 ou Su-30. Analistas disseram que é possível que os caças chineses e russos tenham escoltado apenas parcialmente os bombardeiros e não tenham se aproximado da zona de identificação do Japão, ou também é possível que o Japão simplesmente não os tenha identificado.

Para lidar com o ambiente de campo de batalha em constante mudança e aumentar a capacidade de combate, a China deve ter caças suficientes para garantir que as patrulhas aéreas estratégicas possam ser realizadas de forma confiável, eficaz e segura, disse Song Zhongping, especialista militar chinês e comentarista de TV, ao Global Horários no domingo.

Com o desenvolvimento de tecnologias militares, equipamentos mais avançados, como o caça furtivo J-20 da China e o caça furtivo Su-57 da Rússia, podem participar da próxima patrulha conjunta, disse Song.

Isso levará a um aumento significativo na capacidade de combate abrangente da frota, disse Song.

Fonte: Global Times

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.