MINISTRO DA DEFESA CHINÊS VISITA O IRÃ PARA AJUDAR A ELEVAR OS LAÇOS MILITARES A UM NÍVEL ‘SEM PRECEDENTES’

O conselheiro de Estado chinês e ministro da Defesa Nacional, Wei Fenghe, se reuniu com o presidente iraniano Ebrahim Raisi na quarta-feira e ambos os lados concordaram em aprofundar ainda mais a cooperação nas áreas militares e outras, durante uma rara visita do ministro da Defesa chinês ao Irã que, segundo especialistas, poderia ajudar a elevar a China. -Os laços militares do Irã a um nível sem precedentes no contexto de um EUA cada vez mais hostil e uma situação global tumultuada. 

A viagem de Wei ao Irã marca a visita oficial chinesa de mais alto escalão ao país do Oriente Médio desde a implementação no início deste ano do Acordo de Cooperação Abrangente de 25 anos entre a China e o Irã, um acordo abrangente para melhorar ainda mais os laços políticos e econômicos bilaterais entre os dois. países – ambos estão enfrentando a intensificação da hostilidade dos EUA. 

Durante a reunião desta quarta-feira, Raisi pediu a ampliação das áreas de cooperação entre os dois países e o fortalecimento da cooperação integral, inclusive no campo militar. Após a reunião, eles chegaram a consensos sobre a expansão da comunicação estratégica de alto nível, o aprofundamento dos intercâmbios militares e a realização de exercícios conjuntos e treinamentos de pessoal, informou a Xinhua.

O Irã, que se opõe ao unilateralismo, hegemonismo e interferência externa, apoia firmemente a China na salvaguarda de seus interesses centrais, disse Raisi, enquanto expressa gratidão à China por seu apoio e assistência de longa data durante os tempos difíceis do Irã, segundo a Xinhua.

Por sua parte, Wei disse que sua visita ao Irã, que ocorreu no contexto da atual situação internacional turbulenta, refletiu a importância das relações China-Irã, seu firme apoio mútuo e progresso conjunto. Os militares chineses estão dispostos a manter uma comunicação estratégica com o Irã, fazer bom uso dos mecanismos de cooperação e impulsionar a colaboração pragmática, de modo a elevar os laços militares bilaterais a um nível mais alto, disse Wei.

Os dois lados também tiveram uma profunda troca de pontos de vista sobre as situações de segurança regional e internacional, a questão nuclear do Irã e a situação na Ucrânia. 

Hua Liming, ex-embaixador chinês no Irã e especialista em assuntos do Oriente Médio, disse ao Global Times na quinta-feira que “tanto a China quanto o Irã são alvos do hegemonismo dos EUA. Acho que essa é a linguagem comum mais importante entre os dois países”. 

Comentando o consenso alcançado sobre a cooperação militar, Hua disse que tal comunicação militar detalhada e cooperação com o Irã, uma grande potência na região do Golfo, é sem precedentes. Hua observou que houve contatos militares entre os dois lados nos últimos 50 anos desde o estabelecimento dos laços diplomáticos entre a China e o Irã, mas as trocas substanciais foram poucas, com visitas mútuas ou observação de exercícios um do outro sendo a troca mais comum. 

Li Weijian, vice-presidente da Associação Chinesa de Estudos do Oriente Médio, disse ao Global Times que a visita de Wei ocorre em um momento em que os EUA continuam a instigar tensões regionais, como a crise na Ucrânia, mas o resultado da visita mostra que a intromissão dos EUA não afetou a China e o Irã para elevar ainda mais seus laços bilaterais e cooperação em uma ampla gama de áreas.

Entre as principais áreas de cooperação está o esforço antiterrorismo, já que o terrorismo está em uma tendência crescente obscurecida pelas grandes lutas pelo poder e pela pandemia do COVID-19, observaram os analistas.  

A China e o Irã podem fortalecer a cooperação contra o terrorismo e aumentar a segurança e a estabilidade regional dentro da estrutura da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e no nível bilateral, disse Qian Feng, diretor do departamento de pesquisa do Instituto Nacional de Estratégia da Universidade de Tsinghua, ao Global Tempos.

Antes do Irã, Wei também visitou o Cazaquistão e o Turcomenistão – ambos são membros da SCO – e a cooperação contra o terrorismo foi um tema comum nas viagens do ministro da Defesa chinês aos países.

A viagem de Wei ao Irã também ocorreu no momento em que a China está aprofundando os laços com vários países da Ásia Central e do Oriente Médio, em uma tentativa de promover conjuntamente a paz e a estabilidade regionais, já que os EUA buscam aumentar a tensão geopolítica na região e ao redor o mundo, dizem os analistas. 

Países do Oriente Médio como o Irã têm uma grande necessidade de importar armas de outros países e podemos ter uma cooperação mais profunda em todos os aspectos da indústria de defesa para salvaguardar a paz e a estabilidade regionais, não para outros fins, Zhu Weilie, diretor do Instituto de Estudos do Oriente Médio na Universidade de Estudos Internacionais de Xangai, ao Global Times. 

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, que visitou a China em janeiro, expressou grandes esperanças de que os dois países continuem seu meio século de relações diplomáticas e continuem a impulsionar a cooperação em vários domínios em um artigo publicado no Global Times. 

Também em janeiro, os ministros das Relações Exteriores de quatro países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Kuwait, Omã e Bahrein -, bem como o secretário-geral do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), fizeram uma visita à China. 

Mas em contraste com os EUA, em cooperação com esses países, a China não está procurando estabelecer esferas de influência ou preencher o vácuo deixado pelos EUA na região; em vez disso, está simplesmente tentando trabalhar com os países da região para manter a paz e a estabilidade regionais, disse Zhu.

Fonte: Global Times

DeLiu Caiyue Guo Yuandan

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.