EXÉRCITO DOS EUA SE PREPARAM PARA A ENTREGA DOS PRIMEIROS STRYKERS COM ARMAS A LASER DE 50 QUILOWATTS

WASHINGTON – O primeiro conjunto de veículos de combate Stryker equipados com armas a laser de 50 quilowatts será entregue a uma unidade de soldados do Exército em Fort Sill, Oklahoma, até o final de setembro, de acordo com o chefe do Escritório de Capacidades Rápidas e Tecnologias Críticas do serviço. .

O Exército apelidou seu sistema de Defesa Aérea de Curto Alcance e Manobras de Energia Dirigida de “Guardião”. Depois de testar seu primeiro protótipo na primavera passada em White Sands Missile Range, Novo México, contra sistemas de aeronaves não tripuladas de uma, duas e três classes e foguetes, artilharia e morteiros, o serviço planeja realizar mais testes este mês, disse o tenente -coronel. Gen. L. Neil Thurgood em um evento de 12 de janeiro organizado pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

Os testes continuarão até o início de fevereiro, acrescentou.

O Exército aprendeu com o extenso feedback dos soldados sobre o primeiro protótipo em White Sands e por meio de simulação virtual, disse ele. Com base nesse feedback, os desenvolvedores voltaram e fizeram algumas alterações no design, observou Thurgood.

O Exército concedeu um contrato pela primeira vez em meados de 2019 à Kord Technologies, uma subsidiária da KBR, para servir como principal contratante do primeiro conjunto de protótipos.

A Kord posteriormente concedeu subcontratos à Northrop Grumman e à Raytheon Technologies para competir para fornecer o módulo de laser.

A competição pretendia culminar em um shoot-off entre as respectivas equipes dessas empresas. Kord e o Exército estavam programados para concordar com um vencedor e prosseguir com a integração do módulo de laser escolhido em mais três Strykers para fazer um pelotão de sistemas SHORAD com capacidade de energia direcionada.

Mas a Northrop teve problemas com o sistema de gerenciamento de energia e térmico fornecido pela Kord quando integrado ao seu sistema, e um incêndio ocorreu durante os testes no final do ano passado. Os problemas persistiram no ano novo, e Northrop desistiu antes da demonstração.

A equipe da Raytheon passou a demonstrar seu sistema, e o Exército optou por avançar com esses protótipos. A empresa recebeu um contrato de US$ 123 milhões para fornecer a arma a laser.

Espera-se que o Exército reabra a competição porque o sistema é considerado crítico em futuras operações contra ameaças prolíficas como UAS.

A Lockheed Martin anunciou na conferência anual da Associação do Exército dos EUA em outubro passado que competiria se o Exército avançasse com uma nova competição no próximo ano.

Tomando sua experiência de outros programas de armas a laser – incluindo a arma a laser aerotransportada para a Força Aérea e um laser de classe de 300 quilowatts em desenvolvimento para a capacidade de proteção contra incêndios indiretos do Exército, ou IFPC, como parte de uma equipe com Dynetics – a Lockheed está escalando sua tecnologia laser em uma oferta chamada DEIMOS.

A equipe da Dynetics e da Lockheed está programada para entregar um demonstrador de tecnologia de laser de alta energia da IFPC no ano fiscal de 2022; quatro protótipos devem ser entregues no final do EF24.

Fonte: Defense News

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.