F-35B QUE OPERAVA NO HMS QUEEN ELIZABETH CAI NO MEDITERRÂNEO

O piloto foi ejetado durante “operações de vôo de rotina”, diz o Ministério da Defesa – e não se acredita que nenhuma ação hostil tenha ocorrido.

Um jato stealth britânico F35 do porta-aviões principal do Reino Unido caiu no Mediterrâneo durante o vôo, com o piloto forçado a ejetar no primeiro incidente com o impacto do HMS Queen Elizabeth.

Não se acredita que a ação hostil tenha estado envolvida na derrubada do avião de guerra de £ 100 milhões – um dos programas de armas mais caros, classificados e valiosos do Reino Unido.

Uma investigação provavelmente se concentrará em um possível erro técnico ou humano.

O acidente pode levantar preocupações sobre a segurança de todos os outros jatos F35B – usados ​​por vários países diferentes, incluindo os Estados Unidos.

Por enquanto, todas as operações aéreas no Reino Unido continuam normalmente.


Um porta-voz do Ministério da Defesa disse: “Um piloto britânico F35 do HMS Queen Elizabeth foi ejetado durante operações de vôo de rotina no Mediterrâneo esta manhã.

“O piloto foi devolvido em segurança ao navio e uma investigação foi iniciada, então não seria apropriado comentar mais neste momento.”

A próxima geração do RAF F35 mergulhou no mar “logo após a decolagem”, disse o secretário de Defesa Ben Wallace à Sky News.

Ele é carregado com radares ultrassecretos, sensores e outras tecnologias, portanto, a recuperação dos destroços será uma prioridade.

Oito jatos F35 britânicos estão a bordo, junto com 10 F35s americanos. Eles são a variante B do jato Lockheed Martin, que pode decolar em uma curta distância e pousar no porta-aviões.

Além de ser o primeiro acidente para o porta-aviões, também é a primeira vez que uma frota de 24 jatos F35 do Reino Unido caiu.

Embora muito raro, um pequeno número de jatos F35 americanos caiu, incluindo um em maio de 2020, durante um exercício de rotina na Flórida.

Os jatos F35 são a parte mais valorizada do novo grupo de ataque de porta-aviões do Reino Unido. Os jatos britânicos e americanos voaram para interceptar aeronaves russas do HMS Queen Elizabeth nos últimos meses.

O porta-aviões está retornando ao Reino Unido depois de mais de sete meses no mar em uma viagem inaugural de ida e volta ao Extremo Oriente.

Os jatos a bordo realizaram cerca de 2.000 decolagens e pousos durante esse tempo.

A Sky News visitou a operadora no início deste mês para testemunhar os jatos em ação.

O incidente de quarta-feira ocorreu aproximadamente às 10h00, horário do Reino Unido, em águas internacionais. Nenhuma outra embarcação ou aeronave estava envolvida.

Uma investigação aérea militar abrangente será conduzida com urgência.

Fonte: Sky News

Deborah Haynes

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.