RÚSSIA AVISA QUE ESTÁ PREPARADA PARA ATIRAR OU BOMBARDEAR NAVIOS DA OTAN QUE ENTREM NAS ÁGUAS DA CRIMEIA

A Rússia alertou na quinta-feira que está preparada para atirar ou bombardear navios de guerra invasores para proteger suas fronteiras, em um movimento que ameaça agravar, ainda mais as tensões crescentes entre Moscou e o Ocidente, horas depois de alegar ter disparado contra um navio da Marinha britânica que navegava perto da Crimeia – Que a Rússia reivindica como parte de suas águas territoriais.

A Rússia afirmou que um de seus navios de guerra disparou tiros de advertência enquanto um de seus jatos de combate jogou bombas no caminho do contratorpedeiro da Marinha britânica HMS Defender na quarta-feira para expulsá-lo de uma área perto do porto da Criméia de Sevastapol, o TASS News estatal Agência relatada.

A Grã-Bretanha negou esse relato, dizendo que seu navio não foi alvo de tiros e acrescentando que o destróier estava “conduzindo uma passagem inocente pelas águas territoriais ucranianas de acordo com a lei internacional”.

Comentando sobre o incidente no Mar Negro, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Ryabkov, disse que Moscou tem o direito de “bombardear” quando navios de guerra estrangeiros invadem sua fronteira marítima.

CITAÇÃO CRUCIAL

“A integridade territorial da Federação Russa é inviolável. A inviolabilidade de suas fronteiras é um imperativo absoluto. Estaremos de guarda sobre tudo por meios diplomáticos, políticos e, se necessário, militares”, disse Ryabkov na quinta-feira.

FUNDO CHAVE

Em 2014, a Rússia anexou a Península da Crimeia, uma parte do território da Ucrânia. O movimento, no entanto, não é reconhecido pela Grã-Bretanha e várias outras nações. Desde então, navios militares da OTAN navegaram perto da Crimeia, movimentos que o Kremlin considera desestabilizadores. No início deste ano, a Rússia anunciou que restringirá a navegação de navios militares e oficiais estrangeiros em partes do Mar Negro até outubro, levando à rápida condenação da Ucrânia e do Ocidente. Embora o ministério da defesa da Rússia descreva a entrada do navio britânico no Mar Negro como uma “violação grosseira da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar”, o governo britânico rejeitou isso. De acordo com a Associated Press, Max Blain, porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson, disse: “O HMS Defender estava tomando a rota mais direta e internacionalmente reconhecida entre a Ucrânia e a Geórgia” e enfatizou que a anexação da Crimeia pela Rússia não é reconhecida por ela.

Fonte: Forbes

Siladitya Ray

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Francisco Almeida disse:

    Rússia não “anexou” , ela acolheu pedido de integração de um Estado Independente.
    A Criméia havia declarado sua independência da Ucrânia ,
    ( após o golpe movido pelos EUA derrubar um presidente eleito ,
    e levar ao poder um governo ilegítimo ) .

    depois , num Referendum , a República da Criméia pediu à Rússia para voltar a integrá-la ,
    como sempre foi antes , por 237 anos , antes de 1956 – quando foi ilegalmente anexada à Ucrânia.
    Portanto , a anexação ilegal foi a de 1956.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.