DIA DA AFIRMAÇÃO DOS DIREITOS ARGENTINOS SOBRE AS MALVINAS, ILHAS E SETOR ANTÁRTICO

192 anos se passaram desde o estabelecimento de um governo nacional nas Ilhas Malvinas.

Como todos os dias 10 de junho, recordamos hoje um novo aniversário da criação, em 1829, do Comando Político e Militar das Ilhas Malvinas e adjacentes ao Cabo Horn, no Mar Atlântico. O seu estabelecimento foi a afirmação da nossa soberania sobre as ilhas desde a nossa emancipação e como legítima herdeira da Espanha desses territórios.

Durante esses anos, foram editadas normas desde Buenos Aires e estabelecidas estruturas jurídicas e administrativas que consolidaram o pleno exercício de nossa soberania, promovendo o desenvolvimento das atividades comerciais, o assentamento da população e a constituição de uma sede de Governo, há 192 anos. ., a cuja chefia estava o então governador Luis Vernet.

Este efetivo exercício de soberania foi interrompido em 3 de janeiro de 1833, quando o Reino Unido expulsou, por meio de força, as autoridades legítimas argentinas e a população que ali vivia, quebrando a integridade territorial de nosso país. Este ato de força não foi consentido por nenhum governo argentino.

A partir dessa data e, desde então, as ilhas são objeto de disputa de soberania com o Reino Unido, a qual é reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) por meio da Resolução 2065 da Assembleia Geral, aprovada em 16 de dezembro de 1965.

Em cumprimento a isso, desde 1966, os dois países realizaram negociações para chegar a uma solução pacífica para a controvérsia.

Apesar dos inúmeros convites da Argentina e da exortação das Nações Unidas, o Reino Unido sistematicamente recusou-se a retomar as negociações de soberania e iniciou em 1976 a tentativa de substituir a fórmula de negociação pela de contemplar “os desejos dos ilhéus” como única solução .

Desde 1833, por quase 150 anos, a Argentina produziu constantes reivindicações diplomáticas, sem resultados concretos. O conflito teve avanços e retrocessos, mas o reconhecimento esperado por nosso país nunca foi alcançado.

No final de 1981, as autoridades argentinas perceberam indícios contraditórios por parte da Grã-Bretanha no tratamento do assunto, o que tendeu a congelar as negociações. Foi assim que prepararam a previsão dos planos militares, e aí a Guerra das Malvinas passou a

A recuperação destes territórios e o exercício pleno da nossa soberania sobre as Ilhas Malvinas, Geórgia do Sul, Ilhas Sandwich do Sul e os espaços marítimos circundantes, respeitando o modo de vida dos seus habitantes e em conformidade com o Direito Internacional, constituem um objetivo permanente. e inalienável de todos os argentinos, conforme estabelece a Primeira Disposição Transitória -de 1994- de nossa Constituição Nacional.

39 anos após o conflito do Atlântico Sul

O Ministério das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto expressou a necessidade de retomar as negociações bilaterais o mais rápido possível, o que foi reiterado por 10 resoluções da Assembleia Geral e 37 resoluções do Comitê Especial de Descolonização da ONU e pelo comunidade internacional em inúmeras declarações de fóruns multilaterais como a OEA, o G77 mais China, a Cúpula Ibero-americana, CELAC, MERCOSUL, PARLASUL, o Fórum de Cooperação América do Sul-África (ASA) e a Cúpula de Países. Árabes – América do Sul (UM SPA).

Em seu discurso de posse perante a Assembleia Legislativa, o Presidente Alberto Fernández afirmou que “não há mais espaço para o colonialismo no século XXI” e afirmou que para a democracia argentina não há outro caminho que a diplomacia e a paz para fazer valer a pena. afirmação.

O Governo da República Argentina se dedica ao desenho e implementação de políticas de Estado para alcançar este objetivo permanente e inalienável do povo argentino. Essas ações devem ser orientadas para o médio e longo prazo, para que perdurem para além das mudanças de governo e melhor atendam aos interesses permanentes da Nação, no marco da pluralidade e da riqueza que caracterizam nossa democracia.

Para tanto, o Governo argentino continua trabalhando para consolidar o apoio da comunidade internacional na Questão das Ilhas Malvinas e para defender de forma intransigente seus direitos soberanos no Atlântico Sul. As atividades ilegítimas de exploração e aproveitamento de recursos naturais e a desproporcional e injustificada presença militar britânica no Atlântico Sul são atos contrários à resolução 31/49 da Assembleia Geral das Nações Unidas, que insta as partes a se absterem de introduzir modificações unilaterais na situação enquanto a disputa de soberania está pendente.

As ações que visam a afirmação dos direitos argentinos sobre os arquipélagos do Atlântico Sul e os espaços marítimos circundantes baseiam-se na sincera e profunda convicção de que devem ser realizadas de forma pacífica, evitando a militarização do Atlântico Sul, e com orientação humanitária valores universais.

A República Argentina reitera mais uma vez seu direito inalienável sobre as Ilhas Malvinas, Geórgia do Sul e Sandwich do Sul e áreas marítimas circunvizinhas, bem como sua firme disposição de retomar as negociações de soberania com o Reino Unido o mais rápido possível para encontrar uma solução. esta situação colonial.

Por que são as Malvinas e serão argentinas?

Por motivos históricos: foram da Espanha até 1811 e, conseqüentemente, da Argentina – por herança – até 1833 quando foram usurpados pela Grã-Bretanha (em plena paz e amizade com nosso país). A bandeira azul e branca foi hasteada em solo das Malvinas em 6 de novembro de 1820, pelo coronel David Jewett, comandante da fragata “Heroína”.

Por razões geográficas: Encontram-se dentro da plataforma submarina argentina, a 346 quilômetros da costa continental (e 12.000 quilômetros da Inglaterra).

Por razões de direito internacional: Desde o Tratado de Tordesilhas e pelos sucessivos tratados, sempre foram espanhóis. A Argentina herdou, ocupou e exerceu sua soberania.

Porque desde 1833 quando foram usurpados pela Inglaterra, eles nunca foram renunciados.

Fonte: Gaceta Marinera

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.