GRUPO DE ATAQUE DO PORTA-AVIÕES HMS QUEEN ELIZABETH VISITARÁ 40 PAÍSES

FULL UK CARRIER STRIKE GROUP ASSEMBLED FOR FIRST TIME Pictured: HMS Defender. The full UK Carrier Strike Group assembled for the first time during Group Exercise 2020 on 4th October. Aircraft carrier HMS Queen Elizabeth leads a flotilla of destroyers and frigates from the UK, US and the Netherlands, together with two Royal Fleet Auxiliaries. It is the most powerful task force assembled by any European Navy in almost 20 years.

O Grupo de Ataque nucleado em porta-aviões do Reino Unido visitará mais de um quinto das nações do mundo quando partir no próximo mês.

Liderado pelo HMS Queen Elizabeth, o grupo de tarefa visitará 40 países, incluindo Índia, Japão, República da Coréia e Cingapura em uma implantação cobrindo 26.000 milhas náuticas.

O grupo também participará de exercícios com a transportadora francesa FS Charles De Gaulle no Mediterrâneo, além de marinhas e aeronaves aliadas como EUA, Canadá, Dinamarca, Grécia, Israel, Itália, Japão e Emirados Árabes Unidos.

Enquanto no Pacífico, os navios da Strike Group Transportador vai marcar o 50 º aniversário dos Acordos cinco potências Defesa entre a Malásia, Singapura, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido, através da participação no Exercício Bersama Lima.

Juntando-se ao HMS Queen Elizabeth em sua implantação inaugural estão os contratorpedeiros HMS Diamond e Defender; fragatas HMS Richmond e Kent; um submarino da classe Astute em apoio abaixo das ondas; e os navios auxiliares da Frota Real RFA Fort Victoria e RFA Tidespring.

Mais de 30 aeronaves também embarcarão no grupo de tarefas, incluindo jatos F-35 do Esquadrão 617, os Dambusters e o VMFA-211 do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA; Helicópteros Wildcat de 815 Naval Air Squadron e helicópteros Merlin de 820 e 845 Naval Air Squadrons.

Royal Marines da 42 Commando também farão o lançamento com o porta-aviões.

A fragata holandesa HNLMS Evertsen e o contratorpedeiro americano Arleigh Burke USS Os Sullivans também fazem parte do grupo de ataque.

O CSG21 é significativo como a primeira implantação operacional de um porta-aviões da classe Queen Elizabeth, mas, no nível estratégico, simboliza muito mais.

Comodoro Steve Moorhouse, Comandante do UK Carrier Strike Group

O secretário de Defesa, Ben Wallace, disse: “Quando nosso Carrier Strike Group zarpar no mês que vem, estará hasteando a bandeira da Grã-Bretanha Global – projetando nossa influência, sinalizando nosso poder, interagindo com nossos amigos e reafirmando nosso compromisso de enfrentar os desafios de segurança de hoje e amanhã.

“Toda a nação pode se orgulhar dos homens e mulheres dedicados que, por mais de seis meses, demonstrarão ao mundo que o Reino Unido não está recuando, mas partindo para desempenhar um papel ativo na formação do sistema internacional do século XXI.”

O futuro desdobramento tem como objetivo fortalecer as já profundas parcerias de defesa na região do Pacífico, onde o Reino Unido está comprometido com uma presença regional de defesa e segurança mais duradoura.

Os eventos em Cingapura, República da Coréia, Japão e Índia proporcionarão a oportunidade de fortalecer as relações de segurança, estreitar os laços políticos e apoiar as exportações do Reino Unido e a agenda de Comércio Internacional do país.

O Comodoro Steve Moorhouse, Comandante do UK Carrier Strike Group, disse: “O CSG21 é significativo como a primeira implantação operacional de um porta-aviões da classe Queen Elizabeth, mas, no nível estratégico, simboliza muito mais.

“A implantação mais significativa desse tipo em um quarto de século, é uma demonstração visível do ressurgimento da Marinha Real após décadas de contração.

“À medida que nossa nação redefine seu lugar no mundo pós-Brexit, ela é a personificação natural da agenda do governo ‘Grã-Bretanha Global’. E, em um cenário de crescente instabilidade e competição, reflete o compromisso contínuo do Reino Unido com a segurança global.”

O Carrier Strike Group participará de exercícios da OTAN, como o Exercício Steadfast Defender, e fornecerá apoio à Operação Sea Guardian da OTAN e às operações de segurança no Mar Negro.

No total, as unidades do grupo visitam mais de 40 países e realizam mais de 70 engajamentos, visitas, exercícios aéreos e operações.

Fonte: Royal Navy

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.