AGÊNCIA NORUEGUESA DE INVESTIGAÇÃO PUBLICA SEU RELATÓRIO SOBRE O NAUFRÁGIO DA FRAGATA KNM HELGE INGSTAD

  • Conclui que o navio poderia ter sido salvo, apesar da magnitude dos danos sofridos, se tivessem sido seguidos os procedimentos estabelecidos antes da sua evacuação.
  • O relatório final não direciona quaisquer recomendações de segurança à Navantia.

A Navantia dá as boas-vindas à publicação do relatório final da Agência Norueguesa de Investigação de Segurança (NSIA) sobre o acidente da fragata KNM Helge Ingstad, que afundou após colidir com o petroleiro Sola TS na madrugada de 8 de novembro de 2018.

O relatório inclui 28 recomendações para melhorar a segurança na operação de navios e nenhuma delas é dirigida à Navantia. As recomendações são principalmente direcionadas à Marinha Real da Noruega e à Agência Norueguesa de Materiais de Defesa (NDMA)

O relatório analisa a sequência de eventos que ocorreram após a colisão e os fatores que contribuíram para a fragata encalhar e eventualmente afundar. Um primeiro relatório, publicado em novembro de 2019, já analisava as circunstâncias que levaram ao choque.

O NSIA realizou uma investigação rigorosa e exaustiva para descrever o que aconteceu após a colisão entre a fragata KNM Helge Ingstad e o navio-tanque Sola TS e Navantia quer sublinhar o seu profissionalismo.

A investigação confirmou que a colisão causou à fragata “danos graves, acima daqueles para os quais foi projetada”. Também concluiu que “o naufrágio da fragata poderia ter sido evitado se ela tivesse sido fechada antes de sua evacuação”. “Portas, escotilhas e outras aberturas na fragata que tiveram que ser fechadas para manter a estabilidade e flutuabilidade não foram fechadas no momento da evacuação. Como resultado, a estanqueidade e flutuabilidade não foram devidamente mantidas e o navio acabou afundando ”, afirma o relatório.

Navantia também saúda a conclusão do NSIA de que a passagem de água através da linha do poço “não foi um fator decisivo para causar o naufrágio.” Este assunto foi mencionado pelos investigadores em um relatório preliminar publicado algumas semanas após o acidente.

Durante a investigação, a Navantia manteve uma forte relação de colaboração com a NSIA e contribuiu com dados, documentação e resultados de análises. Como projetista e construtora reconhecida internacionalmente, a Navantia tem como prioridade máxima a segurança de seus navios e das tripulações que os operam em todo o mundo. Portanto, ele vê a pesquisa e a colaboração com a NSIA como uma oportunidade em seu compromisso com o aprimoramento permanente de seus projetos.

Navantia também tem um relacionamento cordial com a Marinha Real da Noruega. KNM Helge Ingstad foi a quarta das cinco fragatas construídas pela Navantia para a Marinha Real da Noruega entre 2006 e 2011.

Fonte: Navantia

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.