UNINDO A TERRA COM O CÉU E O MAR

23 anos após a criação do Arsenal Comandante Espora Aeronaval, revisamos os destinos que lhe deram origem e sua atualidade, onde profissionais se dedicam à manutenção aeronáutica e de turbinas.

Adjacente à Base Aérea Naval Comandante Espora ergue-se um dos pilares da Aviação Naval. Um lugar com história, que mescla as façanhas dos primeiros pilotos da aviação civil-comercial, passando por Antoine de Saint-Exupéry e acompanhando aqueles que lutaram na Gesta de Malvinas. Porém, todas as máquinas que conseguem “dominar o ar” dependem de quem “o domina no solo”. São os homens e mulheres do Arsenal Comandante Espora Aeronaval, dependência da Marinha Argentina que foi reconhecida com esse nome em 15 de março de 1998.

No entanto, o início destas oficinas de reparação e manutenção remonta a setembro de 1921, altura em que se iniciou a construção das instalações de carpintaria e siderurgia de navios-aviões. Isso aconteceu em Puerto Belgrano, já que ao mesmo tempo foi criada a Escola de Aviação Naval, especificando-se a transferência do Destacamento Naval Aéreo San Fernando para o Porto Militar.

Os revestimentos de madeira e chapa ondulada foram os principais materiais dos hangares 1 e 2. Paralelamente, foram construídas as pranchas de lançamento dos hidroaviões na água. Prosseguiu com a aquisição na Alemanha de mais 4 hangares e, nos Estados Unidos, de uma sala composta por três módulos. A planta era destinada à montagem de aviões. As laterais de 15 x 35 metros foram utilizadas para montagem, carpintaria aeronáutica, planta de motores e recuperação de asas e forro.

À medida que surgiam novas necessidades por parte dos trechos, as oficinas aeronáuticas adquiriam maior amplitude, especificando o fim da obra em 1924. Ao mesmo tempo, a tecnologia aeronáutica evoluía de forma vertiginosa e a Marinha Argentina não ficava atrás. Assim, agregou novas aeronaves que, por sua potência, velocidade e complexidade, obrigaram a construção de um novo aeródromo para suplantar Campo Sarmiento. Assim, foi criada a Base Naval Aérea Comandante Espora, onde foram construídos hangares, pavilhões para alojamento do pessoal e todos os edifícios necessários.

Em 1961, a partir de estudos anteriores, surgiu a necessidade de organizar um grupo de trabalho com pessoal dependente da Direcção de Materiais Aeronaval, a fim de preparar um anteprojecto de construção de uma Oficina Central Aeronaval. Caberia à Diretoria de Instalações Fixas executar o projeto, plantas e documentação da obra.

Dada a magnitude da Aviação Naval, com o tempo surge a necessidade de se criar uma entidade coordenadora. Assim, em 10 de julho de 1962, o comando da Força Aérea Naval N ° 2, criou o Arsenal da Força Aérea Naval N ° 2, com base na Base Naval de Puerto Belgrano, além de um pequeno assentamento na Base Aérea Naval Comandante Espora e com dependência direta daquele Comando.

O arsenal foi integrado com todas as oficinas aeronáuticas navais especializadas e seus respectivos armazéns, sendo constituído pelos departamentos de Aeronáutica, Eletrônica e Sobrevivência, aos quais se juntou o Departamento de Armas criado em 1963 e inaugurado em 17 de abril de 1964. Posteriormente, o Combustível Aeronáutico Foi criado o Laboratório de Ensaios, foi criada a Divisão de Serviços e Manutenção; e o Departamento de Pessoal que congrega as áreas de Pessoal Civil do Comandante Espora e Puerto Belgrano.

A incorporação de novas unidades de superfície gerou a necessidade de ampliar a disponibilidade de infra-estruturas em Puerto Belgrano. Por esse motivo, a Oficina Aeronáutica teve que ceder suas instalações, o que deu um novo impulso ao projeto que antes havia sido cancelado por falta de recursos. Mas, desta vez, os terrenos que seriam utilizados seriam aqueles adquiridos pela Marinha próximo ao bairro Harding Green de Bahía Blanca.

A readequação do projeto foi realizada pelo Arsenal Aeronaval N ° 2, cuja tarefa foi coroada em 1973, ocasião em que, por resolução do Comandante-em-Chefe da Marinha, formalizou a criação da Oficina Central Aeronaval.

A partir de então, o Arsenal Aeronaval N ° 2 e o Taller Aeronaval Central trabalharam em conjunto, cumprindo tarefas nos níveis “I, II, III” e “III, IV” respectivamente. Em 1997, foi publicada a resolução determinando a criação do Arsenal Aéreo Comandante Espora (ARCE). Este novo destino foi fundado em 15 de março de 1998 com base no Arsenal Naval nº 2 e na Oficina Aeronaval Central. No mesmo documento foi estabelecido que o novo destino desenvolveria atividades relacionadas à manutenção de aeronaves navais e teria uma dependência orgânica da Direção-Geral de Material Naval, por meio da Diretoria de Planejamento e Estoques, e relação funcional com a Aviação Naval Comando.

O Arsenal Aeronaval Comandante Espora entende e atende todos os aspectos relacionados à Aviação Naval. Reúne todas as oficinas especializadas que fazem manutenção de aeronaves, desde chapas metálicas até motores, passando pela área de eletrônica e aviônica. É uma grande oficina subdividida de acordo com o grau de especificidade: Departamento de Sistemas (envolvendo Armas e Eletrônica), Departamento de Suporte Técnico de Logística para Esquadrões, uma Seção da Divisão de Abastecimento, Divisão de Sobrevivência, Divisão de Aviônica, uma seção da Divisão Técnica e Planta de oxigênio.

Por sua vez, há também uma articulação no trabalho com outros destinos da Marinha Argentina como a Frota Marinha. Especificamente, trabalham nas turbinas Tyne e Olimpus que constituem os motores dos destróieres classe Meko 360. ARCE, existe um Área exclusiva para turbinas navais, que a cada manutenção são colocadas em uma bancada de testes. Este último possui um protocolo que indica os parâmetros regulatórios com os quais a turbina está habilitada para seu correto funcionamento.

Cerca de 500 pessoas são alocadas nas oficinas, entre civis e militares qualificados da Escada de Arsenais com a especialidade Aeronaval. Juntos, eles trabalham extensivamente com a consciência de que sua tarefa deve reduzir a taxa de falhas a zero. Por isso, quem trabalha em cada setor está em constante formação e conta também com a contribuição de unidades acadêmicas externas que proporcionam aos profissionais conhecimentos atualizados. Entre eles, a Universidade Tecnológica Nacional e a Escola Técnica nº 2 “Ing. Cesar Cipolletti ”.

Fonte: Armada Argentina

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.