KUWAIT: PREDADORES ITALIANOS VOARAM 12.000 HORAS DESDE 2014

Desde 2014, os RPAs italianos do Araba Fenice Task Group estacionado no Kuwait reconheceram mais de 6.000 alvos nos céus do Iraque

O Grupo de Tarefas Predator “Araba Fenice” ultrapassou as 12.000 horas de voo desde a sua criação em 2014, quando foi implantado em Operações entre as primeiras Unidades da Coalizão e só em 2020 voou cerca de 2150 horas garantindo o reconhecimento de mais de 1300 alvos.

Estabelecido em 17 de outubro de 2014 e incluído na Operação multinacional “ Inherent Resolve ”, o IT NCC AIR e TFA Kuwait garantem exclusividade de comando e apoio logístico para o uso sinérgico e coordenado dos meios fornecidos pela Força Aérea Italiana: Predator, Tornado, C-27J e KC-767A, fornecendo uma contribuição de relevância absoluta para a consciência estratégica e superioridade da informação em uma base diária no Teatro Operacional, para proteção e segurança, para o alargamento da autonomia de voo e do leque de atuação dos meios aeronáuticos da Coalizão e para contribuir de forma eficaz para a paz e estabilidade na área. A TFA Kuwait contribui por meio do uso de seus ativos de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (ISR) – Tornado e Predador – para a definição da consciência situacional da Coalizão.

O Coronel Luca G. Vitaliti , Comandante de TI NCC AIR e Força Tarefa Aérea do Kuwait, ao obter resultados expressivos, afirmou que: “O resultado mostra que a estrutura expressa não apenas reconhecida excelência tecnológica e operacional, mas também uma significativa contribuição para a Coalizão , confirmando, mais uma vez, a tenacidade, determinação e enorme profundidade humana e profissional das tripulações, técnicos de manutenção e pessoal de apoio do Grupo de Trabalho “Araba Fenice”, a qualidade do apoio e apoio logístico prestado pelo Comando Nacional Contingente Aéreo Italiano (IT NCC AIR) e pela Força Aérea Italiana. A excepcionalidade dos dados é ainda mais evidente considerando como o Grupo de Trabalho “Araba Fenice “, com cerca de 10% dos recursos humanos e materiais da Linha em termos de tripulações, mantenedores e aeronaves Predator, foram capazes de expressar 30% do total de horas de voo geradas no ano de 2020 . Mais um resultado excepcional, portanto, foi alcançado graças ao valor dos nossos colaboradores, à eficiência da nossa organização e ao apoio do país .”

A circunstância também permitiu evidenciar como o serviço generoso, incondicional e qualificado prestado pelo pessoal do Predator, que sempre se caracterizou por uma vasta, profunda e variada experiência aeronáutica e operacional, permitiu desde 2004, ano de a reconstituição do 28º Grupo Voador. , para ser uma ferramenta fundamental nos principais cenários de crise internacional. “Anjos da guarda” das Forças Terrestres e da população por tradição, com uma atividade diária generosa e participativa, as tripulações do Predator operam todos os dias em missões de longa duração, contando com os aplausos de atores nacionais, internacionais e da Coalizão.

O MQ-9A Predator é um sistema de aeronaves pilotadas remotamente de classe estratégica que garante longa persistência em voo em médias e altas altitudes, permitindo alto desempenho tanto na condução de missões de Inteligência, Vigilância quanto de Reconhecimento. (ISR), tanto no âmbito das operações de patrulhamento, busca e salvamento, proteção de instalações e escolta de tropas no terreno. Em resumo, as aeronaves pilotadas remotamente de classe estratégica da Força Aérea possibilitam a cobertura de vastas áreas do Teatro Operacional para grandes janelas de tempo, tornando a flexibilidade de uso, persistência e baixa detectabilidade forças incomparáveis. A possibilidade de alternar a tripulação nos comandos da aeronave durante o andamento da missão, aliada a uma arquitetura operacional que permite que os recursos necessários à realização de missões de voo, pretendidas como aeronaves, sejam implantados em diferentes locais, mesmo em múltiplos continentes, tripulação, segmentos de solo e célula de análise para fotointerpretação permitem buscar o máximo custo-benefício.

Graças aos sensores disponíveis e ao profissionalismo das tripulações de voo e analistas de foto, o MQ-9A pode detectar a presença de ameaças ou dispositivos explosivos improvisados, entre os perigos mais traiçoeiros e generalizados nas salas de operação atuais. Diariamente, o Predador italiano do Grupo de Trabalho “Araba Fenice” busca atividades potencialmente capazes de constituir uma ameaça iminente à população iraquiana e ao contingente implantado, contribuindo para o esforço de estabilização do país. Os sensores fornecidos com o “Predator B” podem monitorar e monitorar grandes áreas de operação e áreas de risco, distribuindo prontamente a quem precisa de informações úteis para compreender detalhadamente o ambiente de interesse e a dinâmica que o rege, facilitando, assim, conhecimento e consciência do contexto operacional. A configuração do Predator é indispensável para a proteção do Contingente e o suporte da Liberdade de Movimento em ambientes hostis.

A Itália é o primeiro contribuinte do OIR, a seguir aos Estados Unidos, em termos de meios aéreos especializados na recolha de informação, vigilância e reconhecimento, para o combate às células DA’ESH (Estado Islâmico), proteção da população e apoio à pacificação do Iraque.

O Predator MQ-9A, juntamente com o Tornado, EC-27J, KC-767A, bem como a célula de Inteligência “Integrated italiano Multisensor Exploração Cell” (I2MEC) constituem o complexo de ativos através do qual se NCC AIR / TFA Kuwait fornece diariamente um contributo de absoluta importância para a sensibilização estratégica e superioridade da informação no Teatro Operacional, para a protecção e segurança, para o alargamento da autonomia de voo e do alcance de acção dos meios aeronáuticos da Coalizão, contribuindo de forma eficaz para a paz e estabilidade na área.

Também graças à contribuição prestada pelo ativo Predator do Comando Aéreo Nacional Italiano (IT NCC AIR), o Comando Contingente do componente Aéreo Italiano implantado dentro da Coalizão no Kuwait e no Iraque, equipado com meios de aeronaves da Força Aérea Italiana enquadrados no funcionário da Força-Tarefa Aérea (TFA) Kuwait, a Itália é o primeiro contribuinte do OIR, depois dos Estados Unidos, em termos de ativos aeronáuticos especializados em coleta de informações, vigilância e reconhecimento, pelo contraste de células DA’ESH, proteção da população e apoio à pacificação no Iraque. Os ativos IT NCC AIR também desempenham um papel fundamental na proteção das forças nacionais e da coalizão posicionadas no Teatro de Operações.

Fonte: Força Aérea da Itália

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.