FINCANTIERI LANÇA NAVIO PATRULHA ITALIANO “RAIMONDO MONTECUCCOLI”

Na sede genovesa da Fincantieri, tradicional cerimônia de lançamento da terceira Patrulha Offshore Multifuncional (PPA)

No dia 13 de março, na fábrica da Fincantieri, em Riva Trigoso (GE), foi realizada a cerimônia de lançamento da terceira Patrulha Offshore Multifuncional ( PPA ), batizada em homenagem ao general, político e escritor Raimondo Montecuccoli.

O evento, realizado de forma reduzida em cumprimento às medidas anti-contágio da Covid, contou com a presença da Subsecretária de Estado da Defesa, Senadora Stefania Pucciarelli, do Comandante de Logística da Marinha ( MARICOMLOG ), do almirante Eduardo Serra, do Diretor de Armamentos navais ( NAVARM ), o Almirante Inspetor Chefe Massimo Guma, o Comandante do Novo Centro de Construção Naval ( MARINALLES ), o capitão do navio Gennaro Falcone e os representantes da Fincantieri. A madrinha do navio era a Sra. Anna Maria Pugliese, filha da Medalha de Ouro do Valor Militar, almirante da equipe Stefano Pugliese que, durante a cerimônia, estava acompanhado pelo comandante designado do navio, o capitão da fragata Daniele Cantù.

A unidade, terceira da classe Thaon di Revel, iniciará sua “vida operacional” em 2023 após mais um período de preparação e preparação da tripulação que será finalizada na planta La Spezia Fincantieri del Muggiano (SP), sob a supervisão do novo centro de equipamentos de construção naval.

Nave Montecuccoli, cujo lema atribuído é ” Centum Oculi ” (Cem olhos) é a terceira de sete unidades de concepção inovadora, concebidas para monitorizar e controlar os espaços marítimos de interesse nacional, fiscalizar as actividades marítimas e económicas, contribuir para a salvaguarda do meio marinho , para apoiar operações de resgate à população atingida por desastres naturais e para auxiliar na escolta de grupos navais, grandes e mercantes; com comprimento de 143 metros e deslocamento de 6.000 toneladas, o navio faz parte do plano de renovação de linha de operações da Marinha Pelotão lançado em maio de 2015 (a chamada “Nova Lei Naval”).

Com estes novos navios-patrulha, supera-se o conceito de subdivisão da frota em várias classes de unidades navais: de fato, foi concebida uma plataforma com marcadas capacidades adaptativas, graças às dimensões e características construtivas, que permitem assumir diferentes configurações de uso, a implementação da configuração modular com base no perfil de missão atribuído.

Estes navios terão a possibilidade de embarcar vários equipamentos e contentores de apoio à população civil em caso de desastres naturais, barcos do tipo RHIB ( barcos insufláveis ​​de casco rígido ) e veículos não tripulados.

A sua ponte é caracterizada por um sistema inovador denominado “cockpit naval” que permitirá pela primeira vez a gestão integrada das operações de navegação e gestão do sistema de combate, com um número reduzido de operadores, graças também ao uso de tecnologias. Avançada e alta automação .

Os PPAs representam um tipo de navio com uma concepção inovadora com requisitos de versatilidade estratégica, flexibilidade de utilização, projectabilidade e integração de capacidades que concretizam a ideia de duplo uso de armamentos de nova geração. Estas plataformas serão capazes de produzir eletricidade e água potável em quantidades suficientes para suportar uma pequena cidade (cerca de 6.000 habitantes) atingida por calamidades, mais detalhadamente, serão caracterizadas por grandes espaços dedicados ao carregamento de materiais e sistemas abrigados , que ampliará ainda mais a capacidade hospitalar, o transporte de ajuda humanitária e o embarque de sistemas específicos para operações antipoluição.

Fonte: Marina Militare

13 de março de 2021 Salvatore D’Olivo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.