TODOS OS EX-SECRETÁRIOS DE DEFESA DOS EUA: “ENVOLVER OS MILITARES EM DISPUTAS ELEITORAIS CRUZARIA UM TERRITÓRIO PERIGOSO”

Todos os 10 ex-secretários de defesa vivos: Envolver os militares em disputas eleitorais cruzaria para um território perigoso

Ashton Carter, Dick Cheney, William Cohen, Mark Esper, Robert Gates, Chuck Hagel, James Mattis, Leon Panetta, William Perry e Donald Rumsfeld são os 10 ex-secretários de defesa dos Estados Unidos vivos.

Como ex-secretários de defesa, temos uma visão comum das obrigações solenes das forças armadas dos Estados Unidos e do Departamento de Defesa. Cada um de nós fez um juramento de apoiar e defender a Constituição contra todos os inimigos, estrangeiros e domésticos. Não juramos isso a um indivíduo ou a um partido.

As eleições americanas e as transferências pacíficas de poder resultantes são marcas registradas de nossa democracia. Com uma exceção singular e trágica que custou a vida de mais americanos do que todas as nossas outras guerras juntas, os Estados Unidos tiveram um registro ininterrupto de tais transições desde 1789, incluindo em tempos de conflito partidário, guerra, epidemias e depressão econômica. Este ano não deve ser exceção.

Nossas eleições ocorreram. Recontagens e auditorias foram realizadas. Desafios apropriados foram resolvidos pelos tribunais. Os governadores certificaram os resultados. E o colégio eleitoral votou. O tempo de questionar os resultados já passou; chegou o momento da contagem formal dos votos do colégio eleitoral, prevista na Constituição e no estatuto.

Como observaram os principais líderes do Departamento de Defesa , “não há papel para os militares dos EUA na determinação do resultado de uma eleição nos EUA”. Os esforços para envolver as forças armadas dos EUA na resolução de disputas eleitorais nos levariam a um território perigoso, ilegal e inconstitucional. Os oficiais civis e militares que dirigem ou executam tais medidas seriam responsáveis, incluindo potencialmente enfrentando penalidades criminais, pelas graves consequências de suas ações em nossa república.

As transições, que todos nós experimentamos, são uma parte crucial do sucesso da transferência de poder. Frequentemente ocorrem em momentos de incerteza internacional sobre a política e postura de segurança nacional dos Estados Unidos. Pode ser um momento em que a nação fica vulnerável às ações de adversários que buscam tirar proveito da situação.

Dados esses fatores, especialmente em um momento em que as forças dos EUA estão engajadas em operações ativas em todo o mundo, é ainda mais imperativo que a transição no Departamento de Defesa seja realizada de forma plena, cooperativa e transparente. O secretário de defesa em exercício, Christopher C. Miller, e seus subordinados – nomeados políticos, oficiais e funcionários públicos – são obrigados por juramento, lei e precedente para facilitar a entrada no cargo do novo governo, e fazê-lo de todo o coração. Eles também devem abster-se de quaisquer ações políticas que prejudiquem os resultados da eleição ou dificultem o sucesso da nova equipe.

Nós os conclamamos, nos termos mais fortes, a fazer como tantas gerações de americanos fizeram antes deles. Esta ação final está de acordo com as mais altas tradições e profissionalismo das forças armadas dos EUA e com a história de transição democrática em nosso grande país.

Fonte: The Washington Post

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.