TREINAMENTO PARA DEFESA ANTIAÉREA É FOCO DE OPERAÇÃO MILITAR INTEGRADA

Brasília (DF), 30/10/2020 – A operação de Adestramento Conjunto Escudo Antiaéreo é um exercício anual que envolve militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica integrantes do Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA). O foco é o treinamento para a proteção de zonas sensíveis contra aeronaves potencialmente hostis. As atividades estão sob coordenação do Ministério da Defesa e do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMAE).

Alexandre Manfrim-1.jpg
Marinha, Exército e Aeronáutica na sala de comando e controle do COMAE

A central de comando e controle localiza-se na sede do COMAE, em Brasília, sob orientação do diretor do exercício, Major Brigadeiro do Ar Ricardo Cesar Mangrich. Ele explica que esta é uma ação de duplo sentido. “Nós treinamos ao mesmo tempo a estrutura de comando e controle do COMAE, que é muito importante, e as unidades de tiro que atuam em solo”, afirmou.

Alexandre Manfrim-2.jpg
Major Brigadeiro do Ar Ricardo Cesar Mangrich, diretor do exercício de Adestramento Conjunto Escudo Antiaéreo

Ele reforça que é primordial a atuação das Forças na defesa brasileira forma integrada. “Em um momento crítico de guerra, precisamos utilizar todos os meios e para isso precisamos entender o modus operandi da Marinha, do Exército e da Força Aérea. Quando há um alvo para várias unidades de tiro, definir quem deve engajar ou não exige uma coordenação e um treinamento muito grande”, destacou o Brigadeiro Mangrich.

Espaço operacional

A operação deste ano, concentra esforços em dois polos estratégicos, continental e litoral. O primeiro instalado na Ala 2, em Anápolis, Goiás; com pontos sensíveis nos municípios goianos de Cristalina, Ipameri e Uberlândia. Os Grupos de Artilharia Antiaérea (GAAAe) lotados nessa região são o 11º GAAAe, sediado em Brasília (DF); o 12º GAAAe, em Manaus (AM); e os 1º, 2º e 3º Grupo de Defesa Antiaérea (GDAAe), sediados em Canoas (RS), Manaus (AM) e Anápolis (GO), respectivamente. A área também conta com os 3º e 4º GAAAe, de Caxias do Sul (RS) e Sete Lagoas(MG).

Escudo Antiaereo - 3.png
11º e 12º Grupos de Artilharia Antiaérea em Cristalina, Goiás*foto destaque*

O segundo polo está instalado na Ala 12, em Santa Cruz, Rio de Janeiro, com participação do Batalhão de Controle Aerotático e Defesa Antiaérea, o 1º Grupo de Artilharia Antiaérea, do Rio de Janeiro; e o 2º Grupo de Artilharia Antiaérea, de Praia Grande (SP). Na região do litoral carioca, os pontos vulneráveis são Macaé, a base náutica Corveta Barroso, da Marinha e São João da Barra, onde os fuzileiros navais farão a defesa do Porto do Açu.

Escudo Antiaereo - 4.png
1º Grupo de Artilharia Antiaérea em Macaé, Rio de Janeiro

Alexandre Manfrim-5.jpg
Capitão de Fragata, Fuzileiro Naval Anderson Navi, Capitão de Fragata Alessandro Duarte e Capitão de Corveta Roque Santos na Sala de Guerra do COMAE, em Brasília

Frente de Ataque

Os ataques são executados de forma real pelos caças da Força Aérea Brasileira, A-29 (Super Tucano) e F-5EM. O chefe da célula de ataque da operação antiaérea, Coronel Sandro Bernardon, explica como as incursões são efetivadas.
“Nós escalamos aeronaves para fazer ataques em diferentes perfis criando as maiores dificuldades possíveis de solução tática, de forma a tornar o treinamento o mais realista possível e testar nossa real capacidade antiaérea. É um exercício importante porque conseguimos identificar nossas dificuldades em situações adversas para a aplicação melhorias e os pontos fortes” disse o Coronel Bernardon.

Alexandre Manfrim-6.jpg
Chefe da célula de ataque da operação antiaérea, Coronel Sandro Bernardon

Cabe ao COMAE orientar a respeito dos horários de decolagem, os pontos de ataque e duração e quantidade de incursões. Uma célula no comando de controle faz a coleta de dados tanto de ataque por parte da aviação quanto de defesa do batalhão. A partir desse banco de informações é possível comparar a eficácia das ações adotadas.

Os materiais de defesa englobam os sistemas de lançamento: MISTRAL (Marinha), IGAS-S (Aeronáutica) e RBS 70 (Exército). Durante o exercício, será utilizado o radar de vigilância SABER M60 para a detecção de alvos e engajamento fictício dos mísseis.

Alexandre Manfrim-7.jpg
Central de comando e controle na Sala de Guerra do COMAE, em Brasília

Fonte: Ministério da Defesa

Por Viviane Oliveira
Fotos: divulgação Escudo Antiaéreo e Alexandre Manfrim/MD

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.