CHINA QUER EXPANDIR ARSENAL NUCLEAR PARA DETER ESTADOS UNIDOS

Desenvolvimento de bombardeiros e mísseis equipados com armas nucleares é importante para garantir a segurança nacional.

Enfrentando ameaças estratégicas crescentes dos EUA, a China precisa aumentar seu número de ogivas nucleares e concluir uma tríade nuclear tecnologicamente avançada, desenvolvendo o bombardeiro furtivo estratégico H-20 e os mísseis balísticos lançados por submarinos JL-3 para impedir possíveis ações militares impulsivas dos EUA, Informaram especialistas na sexta-feira.

Ter um arsenal nuclear apropriado à posição da China ajudará a estabelecer uma ordem mundial mais estável e pacífica, o que será benéfico para o mundo inteiro, disseram eles.

Este ano, os EUA vêm aplicando pressão militar amplificada sobre a China, enviando todos os tipos de navios de guerra e aviões de guerra em uma frequência cada vez maior para áreas como o Mar da China Meridional, o Mar da China Oriental e o Estreito de Taiwan.

O Pentágono também planeja implantar instalações de mísseis de cruzeiro Tomahawk lançadas no solo na primeira cadeia de ilhas a conter o desenvolvimento militar da China, o que não seria possível se os EUA não tivessem abandonado o Tratado INF, informou a Reuters na quarta-feira.

Desde 1º de maio, os EUA enviaram bombardeiros estratégicos B-1B ao Mar da China Oriental em pelo menos três ocasiões, chegando perto da ilha de Taiwan.

O grupo de ataque do porta-aviões USS Theodore Roosevelt e o navio de assalto anfíbio da USS America realizaram exercícios em 15 de março no Mar da China Meridional. Depois que o COVID-19 explodiu no porta-aviões, provocações militares ainda mais frequentes foram feitas pelos EUA na tentativa de mostrar que a força militar dos EUA não havia sido prejudicada.

Para piorar a situação, os EUA têm defendido o desenvolvimento e o uso real de armas nucleares de baixo rendimento, alegando que são “mais seguras” do que as mais destrutivas.

Especialistas militares chineses instaram o país a expandir seu arsenal nuclear para impedir os EUA de sua ambição de conter a China por meios militares e dissipar os pensamentos de ação militar irracional por parte de defensores dos EUA.

A China precisa expandir o número de suas ogivas nucleares para 1.000 em um tempo relativamente curto e ter pelo menos 100 mísseis estratégicos DF-41 para conter ambições e impulsos estratégicos dos EUA em relação à China, disse o editor-chefe do Global Times Hu Xijin na sexta-feira.

Song Zhongping, especialista militar chinês e comentarista de TV, disse ao Global Times na sexta-feira que os EUA estão pressionando e ameaçando a China em todos os campos. Como os EUA não veem mais as armas nucleares como um mero impedimento – agora as vendo como implantáveis ​​no campo de batalha – a China terá que expandir seu arsenal nuclear em resposta a essa enorme ameaça.

Quando solicitado a comentar se a China construirá mais ogivas nucleares e mísseis DF-41 e se a China se juntará a um tratado de armas com os EUA, Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse em uma entrevista coletiva regular na sexta-feira que os principais países deveriam ter priorizado a responsabilidade. e uma obrigação de reduzir armas nucleares estratégicas.

A China sempre opera sob uma política de “não uso em primeiro lugar” quando se trata de armas nucleares, e a política relacionada à China é moderada e responsável, disse Hua.

A China vê as armas nucleares apenas como um impedimento estratégico, mas qualquer impedimento precisa ser forte o suficiente para interromper a agressão militar contra a China, disseram analistas. Se uma arma nuclear for lançada sobre a China, as armas nucleares chinesas devem ser suficientes para acabar com o inimigo em retaliação, disseram especialistas.

A China revelou sua arma nuclear mais avançada na parada militar do Dia Nacional, realizada em Pequim em 1º de outubro de 2019. O míssil balístico intercontinental DF-41 (ICBM) lançado na estrada é capaz de atingir a pátria dos EUA com várias ogivas nucleares.

A China está testando o míssil balístico lançado por submarino armado com armas nucleares JL-3 (SLBM) e desenvolvendo o submarino estratégico tipo 096 movido a energia nuclear para lançar o míssil. Também está em desenvolvimento o bombardeiro furtivo estratégico H-20, comparável ao B-2 dos EUA.

O especialista militar com sede em Pequim, Wei Dongxu, disse ao Global Times na sexta-feira que o SLBM de próxima geração da China terá um alcance maior e carregará mais ogivas nucleares, fornecendo recursos mais poderosos de dissuasão e contra-ataque. O boato H-20 pode carregar armas nucleares e convencionais, voar por continentes e realizar missões estratégicas de dissuasão, tornando-o um trunfo para a Força Aérea Chinesa.

Song disse que o desenvolvimento completo de uma tríade nuclear – capacidade de lançamento de armas nucleares por mar, terra e ar – é necessário para a China, pois as armas estratégicas dos EUA são uma ameaça para a China, e a China precisa atualizar continuamente seu arsenal nuclear.

Especialistas militares disseram que é possível que a China e os EUA se envolvam em um conflito regional.

Por exemplo, isso pode se tornar realidade se os EUA continuarem a desafiar os resultados da China na questão de Taiwan, disse Song, observando que a China deve manter seus resultados nos seus principais interesses. A fonte do confronto China-EUA viria da provocação contínua dos EUA usando os interesses principais da China, disse ele.

O desenvolvimento de armas nucleares pode impedir guerras, mas elas também podem ser usadas em guerras, e é por isso que conflitos futuros podem ser imprevisíveis, disse Song.

A China possui apenas um pequeno número de armas nucleares, muito menos do que os EUA em quantidade e qualidade, mas os EUA estão pedindo à China que participe de negociações estratégicas de redução de armas. Esse é um tratado que a China não aderirá a menos que possua o mesmo nível de armas nucleares que os EUA, disse Song.

A China não tem intenção de iniciar uma corrida armamentista nuclear com os EUA, mas expandir moderadamente seu arsenal nuclear em quantidade e qualidade está alinhada com as exigências da segurança nacional, disse Song.

Wei disse: “O desenvolvimento da China de novas armas estratégicas não significa que ativamente atacará ou ameaçará qualquer país. Em vez disso, deseja aumentar suas próprias capacidades de defesa estratégica, impedindo que outras grandes potências tomem medidas imprudentes”.

A China, como principal país responsável do mundo, deve ter capacidades de dissuasão nuclear apropriadas à sua posição e interesses estratégicos, afirmou Wei.

A atualização da China de suas armas nucleares também contribuirá para o estabelecimento de um novo equilíbrio estratégico, disse Wei, observando que, se a China tiver mais capacidade de dissuasão estratégica, os países que tendem a travar guerras terão menos probabilidade de iniciar uma. “Isso será bom para o mundo inteiro”, disse ele.

Fonte: Global Times

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *