APÓS FRACASSO COM A BOEING, EMBRAER ENTRA NO RADAR DE CHINA, ÍNDIA E RÚSSIA, DIZEM FONTES

Fabricantes de aeronaves estão sondando a companhia brasileira Embraer semanas depois que a estadunidense Boeing abandonou os planos para uma união histórica da aviação comercial, informaram à mídia pessoas familiarizadas com o assunto.

A Boeing interrompeu os planos de comprar 80% da unidade comercial da Embraer em abril, encerrando uma mudança planejada no ramo dos jatos regionais, em um movimento semelhante ao feito pela Airbus em 2018, ao comprar a mesmo setor da canadense Bombardier.

A fabricante de aviões estatal chinesa COMAC manifestou interesse informal em cooperação com a terceira maior fabricante de jatos do mundo, revelaram duas fontes à agência Reuters. A companhia russa de aeronaves Irkut também explorou a questão, disseram outros dois, apesar de a empresa negar qualquer interesse atual.

A Índia, outra potência aeroespacial em ascensão focada principalmente na defesa, mas com um enorme mercado civil, transmitiu informalmente interesse ao nível do governo enquanto estudava o assunto, destacaram outras fontes.

Isso coloca o destino da Embraer no centro do chamado grupo de nações BRICS, com cada uma das estratégias aeroespaciais aprimoradas, à medida que a Airbus e a Boeing enfrentam a crise do novo coronavírus.

Nenhuma das partes citadas admitiu interesse na negociação, tampouco quis tecer comentários.

Concorrência com Boeing e Airbus

Tanto a COMAC quanto a Irkut estão desenvolvendo aeronaves para competir diretamente com a Airbus e a Boeing no movimentado mercado de 150 assentos. Os planos da China são considerados os mais avançados.

Um acordo com a Embraer acrescentaria recursos de engenharia e suporte global, mas também entraria em conflito com jatos regionais menores e comercialmente menos bem-sucedidos desenvolvidos pelos dois países.

Uma fonte da indústria russa disse que a principal controladora do Irkut, a Rostec, está se concentrando no MS-21 existente, projetado para competir com as aeronaves regionais da Airbus e Boeing, e o Superjet.

Embora tenha investido pesadamente em peças e manutenção, a Índia é o pretendente menos visível no setor aeroespacial comercial, com nenhum projeto ativo além de um jato de 14 lugares chamado SARAS.

Mas a Índia tem um requisito potencial para o desenvolvimento de um jato regional de 80 a 90 lugares – uma categoria ocupada pela Embraer – para o projeto UDAN, assinado pelo primeiro-ministro Narendra Modi, para expandir os serviços aéreos para pequenas cidades.

A Embraer também é vista como uma chance única de reequilibrar as ambições aeroespaciais da Índia contra a rival estratégica China.

Fonte: Sputnik

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *