FÚRIA NAS MALVINAS: ARGENTINA ENFURECE-SE CONTRA O REINO UNIDO E ACUSA A ROYAL NAVY DE “VIOLAÇÃO DA PAZ”

A ARGENTINA reagiu furiosamente depois que um navio da Marinha Real atracou nas Ilhas Falkland, classificando a decisão como uma violação de um acordo de longa data que estabeleceu o Atlântico Sul como uma “zona de paz e cooperação” – além de questionar por que isso aconteceu no meio da guerra contra pandemia de coronavírus.

O HMS Forth, um navio de 2.000 toneladas com uma tripulação de 60 pessoas, chegou ao arquipélago remoto no início do ano como o novo navio-patrulha do território britânico no exterior e confirmou esta semana como tendo feito uma viagem de 850 milhas até um submarino na Ilha Antártica do sul da Geórgia. A Argentina invadiu as Malvinas – que elas chamam de Malvinas – em 1982, antes de ser derrotada por uma força-tarefa enviada pela então primeira-ministra Margaret Thatcher , e nunca renunciou à sua reivindicação de soberania sobre as ilhas. O HMS Forth substituiu o HMS Clyde em janeiro, quando o último navio se aproximou da data de ausência de serviço em uma mudança que havia sido planejada há muito tempo, com Clyde sendo devolvido ao Reino Unido para descarte.

Há uma presença permanente das forças armadas do Reino Unido nas ilhas, composta por aeronaves da RAF, pessoal do exército e HMS Forth, que não mudaram apreciavelmente nos últimos anos.

No entanto, Andrés Dachary, secretário das Malvinas, Antártica e Ilhas do Atlântico Sul da Terra do Fogo disse em comunicado divulgado hoje: “É extremamente preocupante que isso ocorra nesses momentos de emergência sanitária que o planeta está passando.

“Os países, mais do que nunca, estão apostando em ações cooperativas.

“No entanto, o Reino Unido usa esse momento para mostrar seu poder militar no Atlântico Sul, além de sugerir o papel que atribui às ilhas do Atlântico Sul como uma porta de entrada para a Antártica”.

Dachary acrescentou: “Este é mais um exemplo de como o Reino Unido da Grã-Bretanha consolida o processo de militarização no Atlântico Sul, que constitui uma clara violação do ZOPACAS (Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul), que promove a manutenção da Paz e Segurança na região. ”

O ZOPACAS, assinado em 1986 por 24 países da América do Sul e África, visa garantir a paz e a segurança na região do Atlântico Sul.

O Reino Unido não é signatário, mas como membro das Nações Unidas, cumpre seus termos.

Dachary disse: “Vamos informar os órgãos competentes porque entendemos que essa ação representa uma ameaça à segurança, não apenas para a província, mas para o país e a região como um todo.

Ele afirmou que representava “a voz do povo da Terra do Fogo” que “não aceita mais a passividade demonstrada pelas administrações anteriores”.

Ele explicou: “Esta patrulha é a primeira unidade desse tipo a ser implantada internacionalmente, daí a seriedade da situação”.

O HMS Forth está equipado com um canhão de 30 mm, quatro metralhadoras de uso geral e duas miniguns.

Uma declaração divulgada no site da Marinha Real diz: “Como o primeiro dos novos navios de patrulha offshore (OPV) da Marinha Real, o HMS Forth está na vanguarda da segurança marítima.

“A missão dela é proteger os interesses de nosso país no mar, seja para salvaguardar os estoques pesqueiros nas águas britânicas ou oferecer garantias e proteção nas Malvinas.

“Ela também tem uma cabine de comando e está armada com uma variedade de armas, o que significa que ela pode apoiar uma série de operações, desde a contra-pirataria até o contrabando”.

Uma declaração divulgada no site da Marinha Real diz: “Como o primeiro dos novos navios de patrulha offshore (OPV) da Marinha Real, o HMS Forth está na vanguarda da segurança marítima.

“A missão dela é proteger os interesses de nosso país no mar, seja para salvaguardar os estoques pesqueiros nas águas britânicas ou oferecer garantias e proteção nas Malvinas.

“Ela também tem uma cabine de comando e está armada com uma variedade de armas, o que significa que ela pode apoiar uma série de operações, desde a contra-pirataria até o contrabando”.

“Comecei a colher memórias de pessoas que conversam comigo e, como eu disse, os maus tratos à população civil foram muito maiores do que eu imaginava.

“Jamais esquecerei nem perdoarei o que foi feito conosco.”

O Express.co.uk entrou em contato com a Marinha Real para pedir uma resposta aos comentários de Dachary.

Reportagem adicional de Maria Ortega

Fonte: Express UK

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Souto. disse:

    Amigo Graan o senhor sabe quando a fragata defensora eo Mattoso Maia
    voltam a navegar?

    • Graan disse:

      Caro Fábio, antes dessa crise havia a possibilidade de dar baixa do serviço ativo da esquadra da Fragata Defensora, mas agora, temos que esperar. Já o Mattoso Maia as MB dizia que iriam retorná-lo a ativa, inclusive, porque gastaram bastante com a revitalização do navio. Quanto e não sei.

  2. Souto. disse:

    O HMS Clyde ainda pode vir para o Brasil?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *