AFUNDAMENTO DO NAIGUATÁ: VENEZUELA PEDE PROVIDÊNCIAS E EMPRESA RESPONSÁVEL PELO “RESOLUTE” EMITE NOTA SOBRE INCIDENTE

A Venezuela espera providências após o navio de bandeira portuguesa “Resolute” ter abalroado e afundado ontem, dia 30 de março, o navio-patrulha da venezuela GV 23 “naiguatá”. O Naiguatá, realizava missão de patrulha naval em águas venezuelanas, a noroeste da ilha de La Tortuga.

Segundo a Armada Bolivariana, o navio Resolute deixou a área do incidente sem prestar socorro a tripulação do GV 23 “Naiguatá” e agora, encontra-se atracado no porto de Willenstad, em Curacao, Antilhas Holandesas.

Hoje, no Twitter, diversas autoridades repudiaram a atitude da tripulação do navio “Resolute” e pedem providências de acordo com as leis internacionais.

“Repudiamos profundamente a ação de agressão e conspiração do navio de bandeira português “Resolute” contra a Guarda Costeira da Marinha Bolivariana «Naiguatá GC-23» no momento de afirmar nossa lei marítima internacional. Exigimos que seja dada proteção judicial efetiva.”

Jesús Suárez Chourio

Chefe do Estado Maior do Comandante em Chefe da República Bolivariana da Venezuela.

“Este navio atacante (RCGS RESOLUTE) violou regulamentos e convenções nacionais e internacionais em nossas águas jurisdicionais e atracou no porto de Willemstad hoje de manhã, solicitando o transporte de combustível. O que as autoridades locais esperam?”

Vladimir Padrino L.

A Columbia Cruise Services empresa responsável pelo navio de bandeira portuguesa emitiu uma “Declaração Preliminar sobre o Incidente RCGS RESOLUTE”:

“Nas primeiras horas da manhã de 30 de março de 2020 (horário local), o navio de cruzeiro RCGS RESOLUTE foi sujeito a um ato de agressão da Marinha da Venezuela em águas internacionais, a cerca de 13,3 milhas náuticas de Isla de Tortuga com 32 tripulantes e não há passageiros a bordo.

Quando o evento ocorreu, o navio de cruzeiro RCGS RESOLUTE já estava à deriva há um dia na costa da ilha para realizar algumas manutenções de rotina no motor em sua viagem inativa ao seu destino, Willemstad / Curaçao. Enquanto a manutenção estava sendo realizada no motor principal de estibordo, o motor principal do porto era mantido em espera para manter uma distância segura da ilha a qualquer momento.

Pouco depois da meia-noite, o navio de cruzeiro foi abordado por um navio armado da Marinha venezuelana, que via rádio questionava as intenções da presença do RCGS RESOLUTE e deu a ordem de seguir até Puerto Moreno na Ilha De Margarita. Como o RCGS RESOLUTE navegava em águas internacionais na época, o Comandante queria reconfirmar esse pedido específico, resultando em um desvio grave da rota programada da embarcação com a empresa DPA.

Enquanto o Comandante estava em contato com a sede, dispararam tiros e, logo em seguida, a embarcação da marinha se aproximou do lado de estibordo em velocidade com um ângulo de 135 ° e colidiu propositadamente com o RESOLUTO RCGS. A embarcação da marinha continuou a esticar o arco de estibordo em uma aparente tentativa de virar a cabeça do navio em direção às águas territoriais venezuelanas.”

Embora o RCGS RESOLUTE tenha sofrido pequenos danos, não afetando a navegabilidade da embarcação, ocorre que a embarcação da marinha sofreu graves danos ao fazer contato com o arco bulboso reforçado com gelo do navio de cruzeiro de expedição da classe de gelo RCGS RESOLUTE e começou a tomar água.

Pronto para apoiar a qualquer momento, o RCGS RESOLUTE permaneceu por mais de uma hora nas proximidades do local e entrou em contato com o Centro de Coordenação de Resgate Marítimo (MRCC) de Curaçao. Este é um organismo internacional que supervisiona todas as emergências marítimas. Todas as tentativas de contatar as pessoas a bordo do navio da Marinha foram deixadas sem resposta.

Somente depois de receber a ordem para retomar a passagem com antecedência pelo MRCC e que não é necessária assistência adicional, o RCGS RESOLUTE, atualmente atracado em segurança no porto de Willemstad, continuou navegando em direção ao seu destino em Curaçao. Uma investigação completa sobre as circunstâncias em torno do incidente será agora realizada.”

Por Graan Barros

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.