VENEZUELA DENUNCIA EUA PERANTE TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

Reclamação apresentada por medidas ‘coercitivas’ dos EUA sobre país latino-americano, diz vice-presidente da Venezuela

ANCARA

A Venezuela denunciou na sexta-feira os EUA perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) pelos “crimes contra a humanidade” cometidos por Washington com sanções.

O vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodriguez, disse em entrevista coletiva que o ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, entregou um arquivo explicando a situação na Venezuela a um promotor na sede da ICC, Haia.

“Pela primeira vez, um caso é apresentado ao Tribunal Penal Internacional, onde é demonstrado que medidas coercitivas unilaterais, que hoje constituem um elemento fundamental da política externa dos Estados Unidos, constituem crimes contra a humanidade”, afirmou.

Ela acrescentou que o relatório inclui “confissões” de autoridades americanas sobre a realidade da Venezuela e as ações dos EUA.

Salientando que os EUA estão realizando uma “política de guerra econômica ilegal”, Rodriguez acusou Washington de violar a Carta da ONU e as convenções internacionais sobre direitos humanos.

Ela disse que 126 instituições, 133 funcionários, nove navios estrangeiros, 40 navios da estatal PDVSA, 15 aeronaves da companhia aérea nacional CONVIASA, nove empresas estatais e 61 empresas estrangeiras foram afetadas pelas sanções americanas até agora.

O vice-presidente acrescentou que os efeitos dessas sanções na sociedade venezuelana, nos programas de saúde e nas atividades do agronegócio também estão incluídos no relatório.

Ela também chamou o líder da oposição Juan Guaido “o protagonista dessas medidas” dentro do território venezuelano.

O país sul-americano está sob severas sanções americanas, econômicas e diplomáticas, há mais de um ano, quando Washington reconhece Guaido como o governante legítimo, em vez do presidente eleito Nicolas Maduro.

No final de fevereiro, os EUA alertaram que as sanções contra a Venezuela não cessariam até que “a Venezuela recuperasse sua democracia”.

“Haverá outras medidas. Haverá outras metas. Haverá mais sanções. A pressão não cessará até que a Venezuela volte a recuperar sua democracia”, disse o Representante Especial dos EUA para a Venezuela Elliott Abrams.

Desde o início de 2019, a Venezuela está envolvida em distúrbios políticos, enquanto Maduro e Guaido se envolvem em uma batalha pelo poder em meio a uma terrível crise econômica no país latino-americano.

Fonte: Anadolu Agency

Beyza Binnur Donmez06.03.2020

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *