CONHEÇA OS ESPECIALISTAS DA RÚSSIA QUE FORAM COMBATER O CORONAVÍRUS NA ITÁLIA (VÍDEO)

Itália, o país mais afetado no mundo pela COVID-19 fora da China, recebeu especialistas militares russos na área de combate a doenças.

Na noite deste domingo (22), a Embaixada da Rússia em Roma anunciou que o primeiro avião russo com especialistas e equipamentos havia pousado na base aérea de Pratica di Mare. O Ministério da Defesa da Rússia confirmou esta informação no mesmo dia.

O grupo de especialistas para ajudar a Itália a combater o coronavírus é composto por cerca de 100 médicos e biólogos do Ministério da Defesa russo.

O grupo é liderado pelo major-general Sergei Kikot, vice-comandante das Forças de Defesa Radiológica, Química e Biológica da Rússia e especialista na área de sistemas de descontaminação. Trabalhou em situações de surtos de antraz e participou da gestão de medidas de mitigação de inundações, relata o jornal Izvestia.

Aleksei Smirnov, coronel do Serviço Médico, é um dos principais epidemiologistas, autor de mais de 70 artigos científicos, tendo participado no desenvolvimento da vacina contra o ebola.

O tenente-coronel Gennady Yeremin esteve envolvido na luta contra a peste suína africana e a febre aftosa, enquanto o tenente-coronel Vyacheslav Kulish é um desenvolvedor de sistemas de proteção contra agentes nocivos de natureza viral. Participou do desenvolvimento de medicamentos e vacinas contra a peste suína e o ebola.

O tenente-coronel Aleksandr Yumanov do Serviço Médico ajudou a implantar um hospital móvel na Guiné como parte de um programa internacional para combater o ebola.

Militares ao serviço da proteção civil

A Rússia tem mantido por muitos anos uma posição de liderança na luta contra as ameaças globais, disse o especialista militar Vladislav Shurygin ao Izvestia.

“Os nossos militares participaram com sucesso na luta contra o terrorismo internacional. A ameaça de propagação do coronavírus não é menos maciça e grave. O Ministério da Defesa russo provou também aqui estar na vanguarda. Há um termo, chamado ‘militar pacífico’. Sua principal tarefa é ajudar e salvar”.

O Ministério da Defesa demonstrou um alto nível de preparação, disse o historiador militar Dmitry Boltenkov.

“Desde a conversa entre o presidente russo e o premiê italiano até à partida do primeiro avião de carga para Roma passaram menos de 24 horas. Em apenas uma noite, estes militares se reuniram na região de Moscou, vindos de toda a parte europeia da Rússia, de Pskov a Orenburg. Isto mostra as capacidades únicas da aviação de transporte militar russa”, conclui.

Fonte: Sputnik Brasil

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *