NAVIOS TURCOS EXPULSAM NAVIO ISRAELENSE DE ÁGUAS CIPRIOTAS

Segundo reportagem da TV, a marinha turca intercepta o barco israelense e ordena que ele saia; O recente acordo marítimo da Turquia com a Líbia alimentou tensões regionais sobre direitos de perfuração

Navios da marinha turca interceptaram um navio de pesquisa israelense nas águas cipriotas há duas semanas e o afugentaram, noticiou o Canal 13 no sábado, citando altas autoridades israelenses.

O navio Bat Galim, da instituição de Pesquisa Oceanográfica e Limnológica de Israel, foi abordado por navios turcos enquanto conduzia pesquisas em coordenação com autoridades cipriotas e o governo cipriota, informou o relatório.

As autoridades não mencionadas disseram que os navios enviaram um rádio para o navio israelense, exigiram conhecer seus negócios na área – apesar de não terem jurisdição lá – e depois ordenaram que partisse. O navio israelense não teve escolha senão cumprir e partir.

A Turquia tomou recentemente medidas para aumentar sua influência no Mediterrâneo oriental. Em novembro, assinou um acordo de fronteira marítima com a Líbia que alimentou as tensões regionais com a Grécia, Chipre e Egito sobre os direitos de perfuração de petróleo e gás na região.

Os três países, que se situam entre a Turquia e a Líbia, criticaram o acordo de fronteira marítima, dizendo que era inconsistente com o direito internacional. A Grécia expulsou o embaixador da Líbia por causa do pacto.

Enquanto isso, Ankara alertou que usará suas forças militares, se necessário, para interromper qualquer perfuração exploratória de gás nas águas ao largo de Chipre, que afirma ser sua.

O relatório do Canal 13 observou que as tensões podem afetar negativamente os planos de Israel de um oleoduto submarino para transferir gás de suas reservas offshore para a Europa, que deve passar pelas águas territoriais de Chipre e da Grécia.

O relatório disse que um funcionário da embaixada israelense em Ancara foi convocado na semana passada para uma conversa, na qual autoridades turcas alertaram que o projeto do oleoduto exigiria a aprovação da Turquia.

“Os turcos estão tentando se estabelecer como os responsáveis ​​pelo show [na região], e isso é muito preocupante”, disse uma autoridade à rede.

Os vizinhos Grécia e Turquia são divididos por uma série de questões de décadas, incluindo disputas territoriais no Mar Egeu. Os aliados da Otan chegaram à beira da guerra três vezes desde a década de 1970, incluindo uma vez os direitos de perfuração na área.

A Grécia insiste em que o acordo com a Líbia – que não possui um governo em pleno funcionamento capaz de governar todo o seu território – é inexequível e enfatizou que protegerá seus direitos soberanos.

O primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis disse que pedirá a outros membros da Otan na cúpula da aliança em Londres, realizada na primeira semana de dezembro, que apoie a Grécia, em face das tentativas da Turquia de invadir sua soberania.

A Turquia não reconhece Chipre como um estado – mas reconhece a entidade cipriota turca separatista, o único país a fazê-lo – e está realizando perfuração exploratória de gás em águas onde a nação insular dividida etnicamente tem direitos econômicos exclusivos.

Ancara disse que está defendendo seus direitos e os dos cipriotas turcos nas reservas regionais de energia.

Agências contribuíram para este relatório.

Fonte: Times of Israel

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.