TRIPULANTES DE PETROLEIROS DETIDOS REGRESSAM A UCRÂNIA

CRIMEA, RUSSIA - NOVEMBER 25, 2018: A view of Crimean Bridge across the Kerch Strait closed for the passage of civil vessels after three Ukrainian Navy vessels have illegally crossed the Russian border and intruded into Russia's territorial waters. Alexei Pavlishak/TASS Ðîññèÿ. Êåð÷ü. Ïðîõîä äëÿ ñóäîâ ïîä Êðûìñêèì ìîñòîì, ïåðåêðûòûé äëÿ ãðàæäàíñêèõ ñóäîâ â öåëÿõ áåçîïàñíîñòè ïîñëå òîãî êàê òðè êîðàáëÿ Âîåííî-ìîðñêèõ ñèë Óêðàèíû íàðóøèëè ãîñãðàíèöó ÐÔ è âîøëè â òåððèòîðèàëüíûå âîäû ñòðàíû. Àëåêñåé Ïàâëèøàê/ÒÀÑÑ

O navio permanecerá na Ucrânia

KIEV, 25 de julho / TASS /. A tripulação do petroleiro russo detido no porto ucraniano de Izmail está voltando para casa, mas a embarcação permanecerá na Ucrânia, informou um porta-voz da embaixada russa em Kiev à TASS na quinta-feira.

“Os tripulantes estão indo para casa, mas o navio permanece em Izmail”, observou ele.

A detenção do petroleiro

Em 25 de julho, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) declarou que havia detido o petroleiro Nika Spirit, da Rússia, no porto de Izmail. De acordo com a SBU, na verdade era o petroleiro Neyma que havia bloqueado o movimento de navios ucranianos durante o incidente do Estreito de Kerch em novembro de 2018.

De acordo com guardas de fronteira ucranianos, o Nika Spirit voando a bandeira russa foi identificado no porto de Izmail através do seu número IMO como o petroleiro Neyma que tinha sido usado para fechar o Estreito de Kerch, conforme o sistema de informação Equasis.

SBU acrescentou que um grupo de investigadores e promotores militares havia revistado o petroleiro com permissão judicial, apreendendo documentos, diários de bordo e gravações de rádio-comunicação feitas durante o incidente. A tripulação do petroleiro foi interrogada.

Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que estava trabalhando para descobrir as circunstâncias da detenção do navio-tanque, a fim de poder tomar as medidas apropriadas.

O incidente do Estreito de Kerch

Em 25 de novembro de 2018, três navios da marinha ucraniana cruzaram ilegalmente a fronteira russa e tentaram realizar algumas ações ilegais em águas territoriais russas. Eles ignoraram as demandas legítimas para parar de navios pertencentes ao Serviço de Fronteiras do FSB e à Frota do Mar Negro, e continuaram manobrando perigosamente. A fim de parar os navios ucranianos, as armas tinham que ser usadas. Os três navios foram detidos em águas territoriais russas.

Uma investigação criminal foi aberta no incidente da fronteira. A tripulação dos navios ucranianos foi colocada sob custódia. Eles são acusados ​​de violar a fronteira russa nos termos do artigo 322.3 do Código Penal Russo e podem enfrentar até seis anos de prisão se forem considerados culpados.


Fonte: TASS
25.07.2019

Você pode gostar...