DONALD TRUMP VANDALIZOU ACORDO COM IRÃ PARA PREJUDICAR BARACK OBAMA, AFIRMA DIPLOMACIA DO REINO UNIDO

  • Sir-Kim-Darroch-renunciou-após-a-publicação-de-telegramas-em-que-ele-chamou-a-administração-Trump-inepta-CRÉDITO-PA

O embaixador da Grã-Bretanha nos EUA disse que Donald Trump abandonou o acordo nuclear com o Irã em um “ato de vandalismo diplomático” porque foi acertado por seu antecessor, Barack Obama, segundo os últimos comunicados divulgados.

O Mail on Sunday publicou detalhes do despacho de Sir Kim Darroch, apesar de um aviso da Scotland Yard de que os jornalistas que divulgaram mais detalhes das comunicações do embaixador poderiam estariam violando a Officials Secrets Act (OSA) [ou em português: Lei de Segredos de Oficiais].

O alerta provocou uma discussão furiosa sobre a liberdade de imprensa, com Boris Johnson e Jeremy Hunt, candidatos à liderança da Tory, fazendo fila para defender o direito da mídia de publicar documentos governamentais vazados.



O último memorando a ser revelado teria sido escrito por Sir Kim em maio de 2018 após uma visita a Washington pelo Sr. Johnson – que era então secretário do Exterior – em uma última tentativa de persuadir o governo Trump a não abandonar o acordo com o Irã.

Leia também: IRÃ ESTÁ CUMPRINDO ACORDO NUCLEAR, AFIRMA DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

IRÃ, A MAIOR FORÇA DE MÍSSEIS DO GOLFO PÉRSICO

IRÃ ABATE UM RQ-4 GLOBAL HAWK DOS ESTADOS UNIDOS QUE VIOLOU SEU ESPAÇO AÉREO

SIPRI: ISRAEL TEM PERTO DE 100 OGIVAS NUCLEARES

TRIPULAÇÃO DO NAVIO JAPONÊS ATINGIDO NO GOLFO DE ORMUZ, DESMENTE US NAVY E AFIRMA QUE NÃO HOUVE ATAQUE COM MINAS

Sob os termos do acordo – ainda apoiado pela Grã-Bretanha, França e Alemanha – as sanções internacionais contra o Irã foram flexibilizadas em troca da aceitação de restrições por parte de Teerã em seu programa nuclear.

Boris Johnson, Secretário de Estado do Reino Unido para os Assuntos Externos e a Commonwealth britânica e Mohammad Javad Zarif Khonsari, Ministro de Relações Exteriores do Irã

Sir Kim disse ao Sr. Johnson: “O resultado ilustrou o paradoxo desta Casa Branca: você teve acesso excepcional, vendo todos sem o presidente; mas, no fundo, o governo está determinado a um ato de vandalismo diplomático, aparentemente por ideologia e personalidade”. razões – foi o acordo de Obama.

“Além disso, eles não podem articular qualquer estratégia do dia seguinte; e os contatos com o Departamento de Estado nesta manhã não sugerem nenhum tipo de plano para alcançar parceiros e aliados, seja na Europa ou na região.”

Na sexta-feira, a Polícia Metropolitana informou que estava lançando uma investigação criminal sobre o vazamento para o correio dos despachos de Sir Kim.

O anúncio seguiu o anúncio que Sir Kim decidiu deixar, dizendo que sua posição se tornou “impossível” após a publicação de telegramas nos quais ele descreveu a administração Trump como “inepta” e “disfuncional”.

Ao mesmo tempo, o Comissário Adjunto Neil Basu advertiu que qualquer publicação posterior dos telegramas poderia constituir uma ofensa criminal e pediu aos jornalistas que devolvam quaisquer documentos governamentais vazados.

Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA)

Seus comentários foram duramente condenados por políticos e jornalistas experientes, que acusaram o Met do tipo de abordagem “pesada” mais comumente associada a regimes totalitários.

Em outra declaração no sábado, Basu insistiu que o Met não tinha intenção de tentar impedir a publicação de matérias de interesse público.

Ele disse que o foco da investigação pelo comando do contra-terrorismo – que investiga violações da OSA – foi “claramente identificar quem foi o responsável pelo vazamento”.

No entanto, ele disse que foi avisado que qualquer publicação posterior dos telegramas “agora sabendo que podem ser uma violação da OSA” também poderia constituir uma ofensa criminal – para a qual não havia defesa do interesse público.

“Sabemos que esses documentos e potencialmente outros continuam em circulação. Temos o dever de prevenir e detectar crimes, e a declaração anterior tinha como objetivo alertar para o risco de violar a OSA”, disse ele.

Em um comunicado, um porta-voz do The Mail on Sunday disse que estava publicando os últimos detalhes – apesar da ameaça de processo – porque “uma imprensa livre é vital para a nossa democracia”.

“A mídia deve ser livre para publicar tal informação, no interesse público, desde que não coloque em risco vidas ou a segurança nacional”, disse o porta-voz.

The Telegraph

Facebook Comments


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close