PASSAGEM DE PORTA-AVIÕES CHINESES PELO ESTREITO DE MIYAKO SERÁ FREQUENTE

  • porta-aviões Liaoning realizou exercícios de decolagem e pouso no Mar do Sul da China em 1 de janeiro de 2017
  • O-Estreito-de-Myako-está-localizado-entre-Miyako-e-Okinawa

Os porta-aviões da China atravessarão com mais frequência as rotas marítimas, incluindo o Estreito de Miyako, para serem operados nos oceanos Pacífico Oeste e Índico, o que se tornará uma prática padrão, de acordo com um artigo publicado pela conta de mídia social do jornal Party.

As principais missões dos porta-aviões chineses serão proteção de rotas marítimas, condução de diplomacia naval, servindo como um impedimento regional e ajuda humanitária, bem como resgate a desastres, segundo o artigo de terça-feira da Xiakedao, a conta oficial do WeChat operada pela edição internacional da People’s People.

Com cada vez mais chineses trabalhando no exterior e mais e mais projetos conjuntos em andamento com outros países, os porta-aviões longe de casa serão poderosos guardiões para proteger os interesses estrangeiros da China de instabilidades regionais, terroristas e desastres, um especialista militar que pediu para não ser identificado disse o Global Times na quarta-feira.



Quanto à “teoria da ameaça do porta-aviões chinês” empolgada por alguns países vizinhos, Xiakedao disse que ela contraria o senso comum militar. “Resolver disputas marítimas com os países vizinhos não é definitivamente a principal missão de porta-aviões da China.

“Porta-aviões são plataformas de combate alto mar, e é impossível para tê-los ficar perto China durante todo o dia”, escreveu Xiakedao.

O desenvolvimento de porta-aviões será a base para a China ser um país importante e assumir responsabilidades internacionais, disse Xiakedao.

O artigo foi publicado depois que a emissora pública NHK informou que uma frota naval chinesa liderada pelo porta-aviões Liaoning cruzou o Estreito de Miyako e entrou no Oceano Pacífico a partir do Mar da China Oriental na terça-feira.

Isso marca a segunda vez que um porta-aviões chinês passou pelas águas desde dezembro de 2016, cruzando a primeira cadeia de ilhas, informou o jornal chinês thepaper.cn, observando que o Liaoning havia acabado de retornar de sua manutenção e modificação regular em abril.

O Japão supostamente despachou navios de vigilância, mas Xiakedao disse que a reação exagerada do Japão é desnecessária, já que os porta-aviões chineses passarão rotineiramente pelo Estreito de Miyako.

Fonte: Global Times

Por Liu Xuanzun

Facebook Comments


Compartilhe
Close