FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS SE PREPARAM PARA O EXERCÍCIO UNITAS

  • militares participam de uma atividade do exercício UNITAS, na edição de 2015, última vez que o Brasil sediou o treinamento.
    Foto: MB

Com duas etapas, uma no Oceano Pacífico e outra no Atlântico, o UNITAS é o mais antigo exercício marítimo multinacional das Américas, com patrocínio do Comando Sul dos EUA.

Brasil e Chile são os países que irão sediar a 60ª edição do exercício marítimo multinacional UNITAS. Realizado pela primeira vez em 1960 e organizado desde então pelo Comando Sul dos EUA por meio de sua marinha, esse é o mais antigo treinamento dessa natureza nas Américas. O UNITAS conta com a participação dessas duas nações desde a sua primeira edição.

De lá para cá, o UNITAS vem sendo geralmente executado em duas etapas, uma no Oceano Pacífico e outra no Atlântico, ambas com o propósito de promover a capacidade de atuação conjunta das forças multinacionais envolvidas. Assim será em 2019, com o Chile como anfitrião da fase chamada de UNITAS PAC, programada para ocorrer em seu litoral entre 24 de junho e 4 de julho. Já o Brasil irá receber a fase UNITAS LANT, a ser desenvolvida em mares do Atlântico, na região do estado do Rio de Janeiro, entre 18 e 31 de agosto.



Cerca de 3.500 militares são esperados para a operação UNITAS LANT, provenientes dos seguintes países, cujas participações estão confirmadas: Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Estados Unidos, Namíbia, Paraguai, Peru e Portugal. Essa será a estreia desse país europeu no UNITAS.

A magnitude do evento e os desafios inerentes a um exercício multinacional como esse exigem preparação. No caso da UNITAS LANT, os últimos ajustes serão feitos na Conferência de Planejamento Final, em junho.

Mas já houve atividades em 2019. Em fevereiro e março deste ano foram realizadas, respectivamente, a Conferência de Desenvolvimento de Conceito e a Conferência de Planejamento Inicial (IPC, em inglês) com o propósito de elaborar o conceito da operação e estabelecer seus objetivos específicos. “O resultado foi a assinatura de um memorando de entendimentos, no qual os representantes dos países se comprometeram com os assuntos tratados: objetivos, treinamentos, intercâmbios, unidades participantes, dentre outros”, detalhou o Contra-Almirante João Alberto de Araujo Lampert, diretor do Centro de Comunicação Social da Marinha do Brasil (MB).

As reuniões foram lideradas pelo Comando da 2ª Divisão da Esquadra da MB, instituição designada para desempenhar o planejamento e a execução da UNITAS LANT 2019. A instituição também será responsável por exercer o comando da força-tarefa multinacional que será estabelecida durante a operação.

Estiveram presentes nos encontros representantes da MB e de algumas marinhas com participação confirmada. Também atuaram nas reuniões representantes do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC, em inglês) e da Guarda Costeira dos EUAalém de militares da Força Aérea Brasileira (FAB). 

Uma comitiva formada por representantes da Marinha do Brasil e do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA visitaram as instalações da Ala 12, base da Força Aérea Brasileira que irá abrigar militares participantes do UNITAS 2019. (Foto: Força Aérea Brasileira).

Apoio da FAB

Na IPC de março, ficou definido que a FAB vai participar do UNITAS através do apoio aos meios navais. Com isso, a FAB estará empenhada em operações conjuntas com as outras forças envolvidas, realizando ações antissubmarino, de busca e salvamento, patrulha marítima e reconhecimento aéreo.

Os militares destacados serão da Ala 11 e 12, bases da FAB localizadas no Rio de Janeiro. “A quantidade total de tripulantes será em torno de 50 militares. Teremos ainda mais alguns 30 militares diretamente envolvidos com ações de apoio em solo”, informou o Major da FAB Nícolas Gomes Moreira, oficial da divisão de preparo operacional do Comando de Preparo, organismo da FAB responsável pelo treinamento, avaliação e doutrina das suas unidades operacionais. O oficial acrescentou que a FAB irá mobilizar para as ações do UNITAS uma aeronave P-3AM e duas aeronaves P-95M, próprias para a realização de patrulhamento, além de dois helicópteros H-36, muito usados em missões de deslocamento e resgate.

As instalações da Ala 12 servirão para abrigar os tripulantes e as equipes de manutenção de aeronaves mobilizadas nas missões. Essa unidade recebeu uma visita de reconhecimento às suas dependências em fevereiro. A comitiva de avaliação foi formada por sete representantes da Marinha do Brasil e dois do USMC.

A expectativa da FAB para a participação no UNITAS é grande. “O ganho operacional de participar de exercícios com outras nações é valioso. O exercício irá, sem dúvida, melhorar as relações amistosas e a cooperação mútua entre as nações e suas forças armadas”, contou o Maj Moreira.

UNITAS Amphibious

A edição de 2019 da UNITAS LANT ocorrerá em paralelo à UNITAS Amphibious, que contemplará um exercício de assistência humanitária e ajuda a desastres por meio de uma operação anfíbia. Quer dizer, enquanto na UNITAS LANT as missões estiverem sendo desempenhadas no mar e no ar, na UNITAS Amphibious vão ocorrer ações do mar para a terra. O local escolhido para o desembarque das tropas participantes da operação anfíbia é a Ilha da Marambaia, também no Rio de Janeiro, onde a MB possui em centro de adestramento.

O cenário fictício que servirá como pano de fundo dessa missão é o de um país devastado por um furacão e um terremoto, cuja população fica desabrigada, sem comida e sem água. Diante disso, o desafio dos militares das diferentes forças armadas participantes será o de articulação de processos e métodos, além de alinhamento na comunicação, para tornar possível a assistência à população necessitada.

Fonte: Diálogo

Facebook Comments


Compartilhe
Close