‘BATAM PALMAS’: RÚSSIA PEDE QUE EUA SIGAM ‘LONGE DO GATILHO’ POR GUERRA NA VENEZUELA

  • Venezuela Carlos Garcia Rawlins - Reuters

Respondendo ao Departamento de Estado dos EUA que estava “aplaudindo” os países que ficaram do lado dos esforços de mudança de regime de Washington na Venezuela, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia disse que aplaudir pelo menos manteve o dedo dos EUA fora do gatilho.

Aplaudindo a decisão de Malta de negar a passagem para aviões russos com destino a Caracas, a recém-indicada porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, conclamou todos os países a “seguir o exemplo de Malta para impedir o apoio do Kremlin ao ditador”, o presidente venezuelano Nicolás Maduro.

“Aplaudimos o governo do #Malta por se recusar a permitir que os aviões russos usem seu espaço aéreo para abastecer o brutal regime anterior na Venezuela. Pedimos a todos os países que sigam o exemplo de Malta para impedir o apoio do Kremlin ao ditador Maduro. #EstamosUnidosVE @MFAMalta”, escreveu a porta-voz norte-americana.



Respondendo a Ortagus no Twitter, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia destacou que os EUA deveriam continuar batendo palmas, já que isso a manteria ocupada o suficiente para não iniciar nenhuma guerra.

“Estamos nos esforçando para manter as mãos longe do gatilho. Então continue aplaudindo – pelo menos é inofensivo”, rebateu.

O entendimento do Departamento de Estado dos EUA sobre “democracia” na Venezuela é apoiar o líder da oposição, Juan Guaidó, e impor sanções até que ele seja instalado no poder. As tentativas de Guaidó de reivindicar o título de “presidente interino” desde janeiro não conseguiram impressionar a polícia, os militares e a maior parte do povo venezuelano.

Lembrando aos EUA como as suas tentativas de “promover a democracia” em todo o mundo geralmente acabam, a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou a repórteres na quinta-feira que a situação lamentável com o espaço aéreo de Malta não era novidade.

“Deixe-me lembrá-lo de que já passamos por isso antes”, afirmou Zakharova. “Quando enviamos ajuda humanitária para a Síria, nossos aviões também tiveram negada a liberação do espaço aéreo. Lembre-se dos obstáculos que eles colocam antes dos voos russos”.

Os mesmos países que buscavam impedir a ajuda russa à Síria estavam tentando realizar uma “mudança de regime” em Damasco, dando apoio ilegítimo a militantes “moderados”, observou Zakharova.

“Todos nos lembramos de como isso terminou”, completou ela.

Fonte: Sputnik News

Facebook Comments


Compartilhe
Close