AUSÊNCIA NO DESFILE MARÍTIMO DA PLA IMPEDIRÁ QUE OS EUA APRENDAM SOBRE A MARINHA CHINESA

Amigos e parceiros globais dos militares chineses não serão influenciados se navios de guerra dos EUA não participarem da parada internacional de navios da China no final de abril, e os EUA perderão outra oportunidade de conhecer a Marinha chinesa, disseram especialistas chineses na segunda-feira. Os EUA sinalizaram que não enviarão nenhum de seus navios de guerra para o desfile naval.

A administração Trump impediu que navios e oficiais navais dos EUA participassem da parada naval multinacional da China, que será realizada em 23 de abril em Qingdao, leste da China, em comemoração ao 70º aniversário da fundação da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (ELP), apesar de o ELP ter enviado um convite, informou a mídia norte-americana Washington Free Beacon na semana passada.

A não presença dos EUA não afetará as amizades e a confiança construídas pela Marinha do ELP e suas contrapartes em todo o mundo, uma fonte que pediu para não ser identificada disse ao Global Times, observando que as celebrações navais foram amplamente e bem recebidas por todos da sociedade internacional.



Líderes navais de dezenas de países planejam participar e vários países enviarão navios de guerra para a revisão internacional da frota, incluindo os poderes navais dos cinco continentes, disse o informante.

Mais de 60 países enviarão delegações, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Defesa Nacional da China no final de março. Japão, Filipinas, Índia, Coréia do Sul, França e Rússia enviarão navios.

Ni Feng, vice-diretor do Instituto de Estudos Americanos da Academia de Ciências Sociais da China, disse ao Global Times na segunda-feira que enquanto os EUA enviam embarcações para a China há 10 anos, os militares chineses se desenvolveram significativamente ao longo dos anos e os EUA agora vêem a China como um concorrente estratégico, por isso não estão dispostos a dar apoio aos militares chineses desta vez.

Em abril de 2009, a Marinha dos EUA enviou o destróier de mísseis USS Fitzgerald a Qingdao para participar de uma revisão internacional da frota para celebrar o 60º aniversário da fundação da Marinha do ELP.

As relações militares entre os dois países continuarão a ser um estabilizador para as relações globais dos dois países quando se trata de manter o conflito militar sob controle, mas isso não significa que os militares dos EUA apoiarão as forças armadas chinesas, especialmente mais forte, Ni disse.

Analistas chineses disseram que não é surpresa que os EUA tenham recusado o convite da China, já que está de acordo com a política militar dos EUA sobre a China nos últimos anos.

O relatório do Washington Free Beacon também disse que o convite da China visava usar a presença de navios de guerra dos EUA para reforçar sua posição internacional, e o motivo dos EUA para não participar da parada chinesa poderia fazer com que aliados dos EUA cancelassem seus planos de participar.

Um especialista chinês que também pediu para não ser identificado disse ao Global Times que é ridículo dizer que a presença de navios de guerra dos EUA pode reforçar a influência internacional da China, porque a China fez isso por conta própria através da cooperação internacional e comunicação.

O especialista observou que “os intercâmbios militares irão beneficiar ambos os lados, uma vez que aumentarão a compreensão e evitarão julgamentos errados. Ao reduzir a interação com a China, os EUA estão eliminando as oportunidades de conhecer a Marinha chinesa”.

Se o Departamento de Estado dos EUA impedir que os navios de guerra dos EUA participem da parada chinesa, a China não ficará surpresa, pois algumas pessoas nos EUA ainda mantêm uma mentalidade defeituosa da Guerra Fria que vê a China como um inimigo imaginário.

Essa maneira de pensar ossificada é prejudicial às relações China-EUA, disse o especialista.

Por Guo Yuandan e Liu Xuanzun

Fonte: Global Times

Facebook Comments


Compartilhe
Close