OS ESTADOS UNIDOS ESTÃO PREPARANDO UMA GUERRA ENTRE OS ESTADOS LATINO-AMERICANOS

  • Falando perante a comunidade anticastrista do Colégio Miami Dade, John Bolton

Pouco a pouco, os partidários da doutrina Cebrowski estão avançando seus peões. Se eles precisarem deixar de criar guerras no Grande Oriente Médio, eles simplesmente virarão e inflamarão a Bacia do Caribe. Acima de tudo, o Pentágono está planejando assassinar um chefe de Estado eleito, arruinar seu país e minar a unidade da América Latina.

John Bolton, o novo conselheiro de segurança nacional dos EUA, relançou o projeto do Pentágono para a destruição das estruturas do Estado na Bacia do Caribe.

Lembramos que, no rescaldo dos ataques de 11 de setembro, o secretário de defesa da época, Donald Rumsfeld, criou o Escritório de Transformação de Forças e nomeou o almirante Arthur Cebrowski como seu diretor. Sua missão era treinar o exército dos EUA para seu novo papel na era da globalização financeira. Ele foi projetado para mudar a cultura militar, a fim de destruir as estruturas do Estado das regiões que não estavam ligadas à economia global. O primeiro capítulo desse plano consistia em deslocar o “Grande Oriente Médio”. A segunda etapa pretendia realizar a mesma tarefa na “Bacia do Caribe”. O plano foi projetado para destruir cerca de vinte Estados costeiros e insulares, com exceção da Colômbia, México e, tanto quanto possível, territórios pertencentes ao Reino Unido, Estados Unidos, França e Holanda.



Quando chegou à Casa Branca, o presidente Donald Trump se opôs ao plano Cebrowski. No entanto, dois anos depois, ele só conseguiu impedir que o Pentágono e a OTAN entregassem os Estados aos grupos terroristas que empregam (o «Califado»), mas não para impedir a manipulação do terrorismo. Em relação ao Grande Oriente Médio, ele conseguiu diminuir a tensão, mas as guerras ainda continuam lá em menor intensidade. Em relação à Bacia do Caribe, ele restringiu o Pentágono, proibindo-os de iniciar operações militares diretas.

Em maio passado, Stella Calloni revelou uma nota do almirante Kurt Tidd, comandante em chefe da SouthCom, expondo as operações destinadas à Venezuela [ 1 ]. Uma segunda penetração foi implementada simultaneamente na Nicarágua e uma terceira, que durou o último meio século, contra Cuba.

Trabalhando a partir de várias análises anteriores, concluímos que a desestabilização da Venezuela – a partir do movimento das guarimbas, continuou pela tentativa de golpe de Estado de fevereiro de 2015 (Operação Jericho) [ 2 ], depois por ataques à moeda nacional e à organização de emigração – terminaria com operações militares [ 3 ] lideradas pelo Brasil, Colômbia e Guiana. Manobras multinacionais de transporte de tropas foram organizadas pelos Estados Unidos e seus aliados em agosto de 2017 [ 4 ]. Isso foi possível graças à eleição do presidente pró-israelense Jair Bolsonaro, que chegará ao poder em Brasília no dia 1º de janeiro de 2019.

O próximo vice-presidente do Brasil será o general Hamilton Mourão, cujo pai desempenhou um papel importante no golpe de estado militar pró-EUA de 1964. Ele se tornou famoso por suas declarações contra os presidentes Lula e Rousseff. Em 2017, ele declarou – em nome do Grande Oriente do Brasil – que chegara a hora de um novo golpe de Estado militar. Finalmente, ele foi reeleito com o presidente Bolsonaro. Em entrevista à revista Piauianunciou uma iminente derrubada do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e o envio de uma força de paz brasileira (sic). Diante da gravidade dessas declarações, que constituem uma violação da Carta das Nações Unidas, o presidente eleito Bolsonaro declarou que ninguém tinha intenção de entrar em guerra com ninguém e que seu vice-presidente falava demais.

Em qualquer caso, durante uma conferência de imprensa em 12 de dezembro de 2018, o presidente Maduro revelou que o assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, estava lidando com a coordenação entre as equipes do presidente colombiano Iván Duque e as do vice-presidente brasileiro. Um grupo de 734 mercenários está atualmente sendo treinado em Tona (Colômbia) para perpetrar um falso ataque de bandeira, supostamente pela Venezuela, contra a Colômbia – justificando assim uma guerra colombiana contra a Venezuela. A guerra estaria sob o comando do Coronel Oswaldo Valentín García Palomo, que está hoje escondido após a tentativa de assassinato por drone do Presidente Maduro durante o aniversário da Guarda Nacional em 4 de agosto de 2018. Esses mercenários são apoiados por Forças Especiais estacionadas nos EUA. bases militares em Tolemaida (Colômbia) e Eglin (Flórida). O plano dos EUA é assumir,

Procurou o Coronel Oswaldo Valentín García Palomo, da Guarda Nacional da Venezuela, depois de ter ordenado uma tentativa de assassinato do Presidente da República Bolivariana.

O Conselho de Segurança Nacional dos EUA está tentando convencer vários estados a não reconhecer o segundo mandato de Nicolás Maduro (ele foi reeleito em maio passado, mas assumirá o poder com o Ano Novo). É por isso que os estados do Grupo Lima contestaram a eleição presidencial antes mesmo de ocorrer, e proibiram ilegalmente os consulados venezuelanos de organizá-la. Além disso, a crise migratória acaba sendo apenas mais uma manipulação – muitos dos venezuelanos que fugiram da crise monetária acreditando que encontrariam trabalho em outro país latino-americano hoje estão tentando voltar para casa. Mas o Grupo Lima os impede de fazê-lo, proibindo aviões venezuelanos que estão tentando repatriá-los para usar seu espaço aéreo, assim como interditar os ônibus que vieram para ajudá-los a atravessar as fronteiras.

Tudo está acontecendo, portanto, como se estivéssemos assistindo a um remake dos eventos que ensanguentaram o Grande Oriente Médio depois dos ataques de 11 de setembro de 2001. O ponto principal não são as ações militares, mas a aparência de desordem que os eventos apresentam. Primeiro de tudo, pretende-se confundir as pessoas para fazer uma bolsa de seda de uma orelha de porca [ 5]. No espaço de cinco anos, a Venezuela e a Nicarágua, que costumavam desfrutar de uma imagem positiva no exterior, agora estão sendo erroneamente descritas como “Estados falidos”. Embora a história dos sandinistas e sua luta contra a ditadura de Somoza ainda não tenha sido reescrita, é dado como certo que Hugo Chávez Frías era um «ditador comunista» (sic), apesar de seu país ter experimentado uma economia massiva. e salto político para a frente durante a sua presidência. Logo será possível destruir esses estados sem que ninguém se queixe.

O tempo está passando mais e mais rapidamente. Quando, em 1823, o presidente dos Estados Unidos, James Monroe, decidiu fechar as Américas à colonização européia, ele não poderia imaginar que, 50 anos depois, sua decisão se transformasse em uma afirmação do imperialismo norte-americano. Assim como hoje, quando o presidente Donald Trump declarou, no dia de sua investidura, que o tempo para a mudança de regime havia acabado, ele não imaginava que seria traído por seu próprio povo. No entanto, em 1º de novembro de 2018, seu assessor de segurança, John Bolton, declarou em Miami que Cuba, Nicarágua e Venezuela formavam uma “tropa de tirania”. Então seu secretário de Defesa, general James Mattis, afirmou em 1º de dezembro, antes do Fórum de Defesa Nacional de Reagan, que o presidente eleito Maduro é um “déspota irresponsável” que “tem que ir” [ 6 ].

Fonte: Voltairenet.org

Thierry Meyssan

1 ] « Plano para derrubar a ditadura venezuelana -“ Masterstroke ” », Almirante Kurt W. Tidd, Rede Voltaire , 23 de fevereiro de 2018. « Os Estados Unidos” Master Stroke “contra a Venezuela “, por Stella Calloni, Tradução Pete Kimberley, Voltaire Rede , 17 de maio de 2018.

2 ] “ Obama fracassou em seu golpe na Venezuela ”, por Thierry Meyssan, Tradução Roger Lagassé, Rede Voltaire , 24 de fevereiro de 2015.

3 ] “ General Jacinto Perez Arcay considera a invasão da Venezuela“ inevitável ”, Tradução Roger Lagassé, Rede Voltaire , 12 de junho de 2016.

4 ] “ Manobras de grande escala em torno da Venezuela ”, de Manlio Dinucci, Tradução Anoosha Boralessa, Il Manifesto (Itália), Rede Voltaire , 23 de agosto de 2017.

5 ] “ Venezuela, uma intervenção impossível ”, por Julio Yao Villalaz, Tradução Anoosha Boralessa, Rede Voltaire , 3 de março de 2018.

6 ] “ Mattis condena Maduro da Venezuela como um ‘déspota’ que precisa ir ”, Reuters , Phil Stewart, 1º de dezembro de 2018.

Facebook Comments


Compartilhe
Close