A TERRÍVEL DESTRUIÇÃO VINDOURA DA BACIA DO CARIBE

  • o controle da américa latina

O presidente Trump anunciou a retirada das tropas de combate dos EUA do “Grande Oriente Médio”, mas o Pentágono ainda está buscando a implementação do plano de Rumsfeld-Cebrowski. Desta vez, o objetivo é destruir os Estados da “Bacia do Caribe”. Isso não é nada como a derrubada de regimes pró-soviéticos, como nos anos 70, mas a destruição de todas as estruturas regionais do Estado, sem consideração por amigos ou inimigos políticos. Thierry Meyssan observa os preparativos para esta nova série de guerras.

Em uma série de artigos anteriores, apresentamos o plano do SouthCom para provocar guerras entre as nações latino-americanas a fim de destruir as estruturas de todos os Estados da “Bacia do Caribe” [ 1 ].

Preparações para guerras desta magnitude, destinadas a seguir os conflitos no “Grande Médio Oriente” de acordo com a estratégia de Rumsfeld-Cebrowski, requerem uma década [ 2 ].



Após o período de desestabilização econômica [ 3 ] e de preparação militar, a operação real deve começar nos próximos anos por um ataque à Venezuela pelo Brasil (apoiado por Israël), Colômbia (aliada dos Estados Unidos) e Guiana ( por outras palavras, o Reino Unido). Ele será seguido por outros, começando com Cuba e Nicarágua (a “troika da tirania”, segundo John Bolton).

No entanto, o plano original pode ser modificado, particularmente por causa do retorno das ambições imperiais do Reino Unido [ 4 ], que podem influenciar o Pentágono.

Aqui é onde estamos agora :

A evolução da Venezuela

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, havia desenvolvido relações com o “Grande Oriente Médio” em bases ideológicas. Ele se aproximou em particular do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e do presidente da Síria, Bachar el-Assad. Juntos, eles imaginaram a possibilidade de fundar uma organização intergovernamental, o “Movimento dos Aliados Livres”, seguindo o modelo do “Movimento Não-Alinhado”, que foi paralisado pelo alinhamento com os Estados Unidos, ao longo do tempo, de alguns de seus membros [ 5 ].

Embora Nicolas Maduro tenha adotado a mesma linguagem que Hugo Chávez, ele escolheu uma política externa muito diferente. É verdade que ele continuou a reaproximação com a Rússia e, por sua vez, acolheu bombardeiros russos à Venezuela. Ele assinou um contrato para importar 600 mil toneladas de trigo para lidar com a fome em seu país. Acima de tudo, ele se preparou para receber seis bilhões de dólares em investimentos, incluindo cinco no setor de petróleo. Os engenheiros russos assumiram os postos destinados aos trabalhadores venezuelanos, mas que haviam abandonado.

Nicolas Maduro reorganizou as alianças de seu país em novas fundações. Ele tecia laços estreitos com a Turquia, que é membro da OTAN e cujo exército ocupa atualmente o norte da Síria. Maduro foi para Istambul em quatro ocasiões e Erdoğan foi uma vez para Caracas.

A Suíça era aliada de Hugo Chávez e o aconselhou para a composição de sua Constituição. Temendo não conseguir refinar o ouro de seu país na Suíça, Nicolas Maduro procurou a Turquia, que transformou a matéria-prima em ouro. No passado, esse ouro havia permanecido nos bancos suíços como garantia de contratos de petróleo. A partir de agora, os ativos líquidos foram transferidos para a Turquia, enquanto o ouro recém-tratado retornou à Venezuela. Essa orientação pode ser interpretada como não mais fundamentada na ideologia, mas no interesse. Tudo depende de quem se beneficia.

Simultaneamente, a Venezuela se tornou alvo de uma campanha de desestabilização que começou com as manifestações das guarimbas , continuou com a tentativa de golpe de Estado em 12 de fevereiro de 2015 (Operação Jericó), depois por uma série de ataques à moeda nacional e organizou a emigração. . Nesse contexto, a Turquia ofereceu à Venezuela a possibilidade de evitar as sanções dos EUA. As trocas entre os dois países multiplicaram-se quinze vezes em 2018.

Qualquer que seja a evolução do regime venezuelano, nada pode justificar o que está sendo preparado contra sua população.

Coordenação de meios logísticos

De 31 de julho a 12 de agosto de 2017, a SouthCom organiza um vasto exercício com mais de 3.000 homens de 25 estados aliados, incluindo a França e o Reino Unido. O objetivo era preparar um pouso rápido de tropas na Venezuela [ 6 ].

Colômbia

A Colômbia é um estado, mas não uma nação. Sua população vive geograficamente separada de acordo com a classe social, com enormes diferenças na qualidade de vida. Quase nenhum colombiano jamais passou um tempo em um bairro atribuído a outra classe social que não a sua. Essa separação rígida tornou possível a multiplicação de forças paramilitares e, conseqüentemente, conflitos internos armados que causaram mais de 220.000 vítimas em trinta anos.

No poder desde agosto de 2018, o presidente Iván Duque desafiou a frágil paz concluída com as FARC por seu antecessor, Juan Manuel Santos – mas não com o ELN. Ele não descartou a opção de uma intervenção militar contra a Venezuela. De acordo com Nicolas Maduro, os Estados Unidos estão atualmente treinando 734 mercenários em um campo de treinamento em Tona com o objetivo de realizar uma operação de falsa bandeira destinada a desencadear uma guerra com a Venezuela. Levando em conta a particularidade sociológica da Colômbia, é impossível determinar com certeza se o campo de treinamento é ou não controlado por Bogotá.

JPEG - 61,8 kb
Rex Tillerson era o diretor da ExxonMobil no momento da descoberta de depósitos de petróleo na Guiana. Pouco depois, ele se tornou o secretário de Estado dos EUA.

Guiana

No século XIX, as potências coloniais concordaram com uma fronteira entre a Guiana Britânica (atual Guiana) e a Guiana Holandesa (atual Suriname). mas nenhum texto jamais definiu a fronteira entre a zona britânica e a zona espanhola (atualmente Venezuela). Consequentemente, a Guiana administra 160.000 km2 de floresta, o que ainda é uma fonte de disputa com seu vizinho maior. Em virtude do acordo de Genebra de 17 de fevereiro de 1966, os dois estados deferiram para o Secretário Geral da ONU (na época o U Thant birmanês). Nada mudou desde então – a Guiana propôs levar o caso à Corte Permanente de Arbitragem da ONU, enquanto a Venezuela prefere negociações diretas.

Esta disputa territorial não parece particularmente urgente, porque a área contestada é uma floresta desabitada que se acreditava ser sem valor – no entanto, é uma área enorme que representa dois terços da Guiana. O acordo de Genebra foi violado 15 vezes pela Guiana, que autorizou especificamente a exploração de uma mina de ouro. Acima de tudo, as apostas foram levantadas em 2015 com a descoberta pela ExxonMobil de depósitos de petróleo no Oceano Atlântico, particularmente nas águas territoriais da zona contestada.

A população da Guiana é composta por 40% de índios, 30% de africanos, 20% de raça mista e 10% de índios americanos. Os índios são uma forte presença nos serviços civis e os africanos no exército.

Em 21 de dezembro, um voto de desconfiança foi apresentado contra o governo do presidente David Granger, um general pró-britânico e anti-venezuelano, no poder desde 2015. Para surpresa de todos, um deputado, Charrandas Persaud, votou contra seu próprio partido, e em uma atmosfera de caos indescritível, provocou a queda do governo que tinha apenas uma maioria de um voto. Desde então, o país encontra-se em estado de grande instabilidade – não sabemos se o Presidente Granger, atualmente em quimioterapia, será capaz de lidar com assuntos atuais, enquanto Charrandas Persaud deixou o Parlamento com uma escolta, por uma porta dos fundos, e fugiu para o Canadá.

Em 22 de dezembro de 2018, na ausência de um governo, a Ramform Tethys (sob a bandeira das Bahamas) e o Delta Monarch (Trinidad e Tobago) realizaram explorações submarinas na zona contestada em nome da Exxon-Mobil. Considerando que essa invasão violou o acordo de Genebra, o exército venezuelano expulsou os dois navios. O ministro das Relações Exteriores da Guiana, trabalhando com assuntos atuais, declarou que era um ato hostil.

O ministro da Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, declarou ao Sunday Telegraph em 30 de dezembro de 2018 que a Coroa estava pondo fim à descolonização, que era a doutrina de Whitehall desde o caso de Suez em 1956. Londres está se preparando para abrir uma nova base militar no Caribe (por enquanto o Reino Unido tem bases apenas em Gibraltar, Chipre, Diego Garcia e nas ilhas Falkland). A nova base poderia estar situada em Montserrat (Antilhas), ou mais provavelmente na Guiana, e deveria estar operacional em 2022 [ 7 ].

A Guiana é vizinha do Suriname (Guiana Holandesa). Seu presidente, Desi Bouterse, é procurado na Europa por tráfico de drogas – um caso que antecedeu sua eleição. Mas seu filho Dino foi preso no Panamá em 2013, apesar de ter entrado naquele país com passaporte diplomático. Ele foi extraditado para os Estados Unidos, onde foi condenado a 16 anos de prisão por tráfico de drogas – na verdade, porque ele estava montando o Hezbollah libanês no Suriname.

JPEG - 22,4 kb
O batismo de Jair Bolsonaro nas águas do Jordão (Israël)

Brasil

Em maio de 2016, Henrique Meirelles, ministro da Fazenda do governo de transição do islamita-brasileiro Michel Temer, nomeou Ilan Goldfajn como diretor do Banco Central. Mereilles também presidiu o Comitê para a preparação dos Jogos Olímpicos, convocando Tsahal a coordenar o exército e a polícia brasileiros, garantindo assim a segurança dos Jogos. Simultaneamente controlando o Banco Central, o exército e a polícia do Brasil, Israël não teve dificuldade em apoiar o movimento popular de insatisfação em face da incompetência do Partido dos Trabalhadores.

Acreditando – sem qualquer prova sólida – que Presidente Dilma Rousseff havia falsificado as contas públicas no contexto do escândalo da Petrobras, os parlamentares a impuseram em agosto de 2016.

JPEG - 44,8 kb
Eduardo e Carlos, filhos do presidente Jair Bolsonaro.

Durante a eleição presidencial de 2018, o candidato Jair Bolsonaro foi a Israel para ser batizado nas águas do Jordão, e consequentemente obteve uma porcentagem maciça do voto evangélico. Ele foi eleito com o general Hamilton Mourão como seu vice-presidente. Durante o período de transição, Mourão declarou que o Brasil deveria se preparar para enviar homens para a Venezuela como uma “força de paz” depois que o presidente Maduro fosse derrubado – comentários que constituem uma ameaça mal disfarçada que o presidente Bolsonaro tentou minimizar.

Em uma entrevista em 3 de janeiro de 2019, no canal de TV SBT, o presidente Bolsonaro falou de negociações com o Pentágono sobre a possibilidade de criar uma base militar dos EUA no Brasil. Esta declaração levantou poderosa oposição dentro das forças armadas, para quem seu país é capaz de se defender sem assistência.

JPEG - 37,4 kb
Benjamin Netanyahu durante a investidura do presidente Bolsonaro. Israël tomou posição no Brasil.

Durante a sua investidura em 2 de janeiro de 2019, o novo Presidente deu as boas-vindas ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Essa foi a primeira vez que uma personalidade israelense dessa importância havia sido para o Brasil. Nessa ocasião, o presidente Bolsonaro anunciou a próxima transferência da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que também foi à investidura, onde se encontrou com o ministro peruano de Relações Exteriores, Néstor Popolizio, anunciou ao presidente Bolsonaro sua intenção de lutar com ele contra os regimes autoritários da Venezuela e Cuba. Retornando aos Estados Unidos, ele parou em Bogotá para se reunir com o presidente colombiano Iván Duque. Os dois homens concordaram em trabalhar pelo isolamento diplomático da Venezuela. Em 4 de janeiro de 2019, os 14 Estados do Grupo de Lima (incluindo Brasil, Colômbia e Guiana) se reuniram para concordar que o novo mandato de Nicolas Maduro, que começa em 10 de janeiro, é “ilegítimo” [ 8 ] .]. Este comunicado não foi assinado pelo México. Além disso, seis dos Estados-membros apresentaram uma queixa ao Tribunal Penal Internacional contra o Presidente Nicolas Maduro por crimes contra a humanidade.

Hoje está perfeitamente claro que o processo de guerra está em andamento. Enormes forças estão em jogo, e há pouco que pode ser feito para detê-las agora. É neste contexto que a Rússia estuda a possibilidade de estabelecer uma base aero-naval permanente na Venezuela. A ilha de La Orchila – onde o presidente Hugo Chávez foi mantido prisioneiro durante o golpe de Estado de abril de 2002 – permitiria o armazenamento de bombardeiros estratégicos. Isso constituiria uma ameaça muito maior para os Estados Unidos do que os mísseis soviéticos estacionados em Cuba em 1962.

Fonte: Voltairenet.org

Facebook Comments


Compartilhe
Close