CONGRESSO DOS EUA DISCUTE O RECONHECIMENTO DA SOBERANIA ISRAELENSE SOBRE AS COLINAS DE GOLÃ

  • PM Netanyahu nas colinas de Golã, perto da fronteira israelense com a Síria. (Kobi Gideon - GPO)

Um subcomitê do Congresso dos EUA, presidido por Ron DeSantis, realizou uma audiência para discutir os prós e contras do reconhecimento da soberania israelense sobre a parte israelense das colinas de Golã.

Um subcomitê do Congresso dos Estados Unidos discutiu na terça-feira a possibilidade de que os EUA reconheçam a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã.

A audiência teve lugar no Subcomitê de Segurança Nacional da Câmara, presidido pelo congressista norte-americano Ron DeSantis, um defensor do reconhecimento da soberania israelense sobre a parte israelense das colinas de Golan.



DeSantis, um republicano da Flórida, era um dos principais defensores do Congresso na mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém.

“Um novo horizonte nas relações EUA-Israel: de uma embaixada americana em Jerusalém para o potencial reconhecimento da soberania israelense sobre as Colinas de Golan”, foi o título da audiência de terça-feira.

O propósito da audiência, de acordo com um anúncio feito pelo Subcomitê de Segurança Nacional, foi “discutir o potencial do reconhecimento americano da soberania israelense sobre as Colinas de Golã em prol dos interesses de segurança nacional dos EUA”.

O ex-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores, Dore Gold, que chefia o Centro de Relações Públicas de Jerusalém, testemunhou a favor, assim como Eugene Kontorovich, da faculdade de direito da Universidade Northwestern.

O ex-embaixador dos EUA Daniel Kurtzer, que agora é professor em Princeton, apresentou uma posição mais cética.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pediu aos EUA que reconheçam a soberania israelense sobre a área em fevereiro de 2017.

O chefe da Yesh Atid, Yair Lapid, tem lutado ativamente pelo reconhecimento internacional da soberania israelense nas colinas de Golan.

A administração dos EUA, no entanto, não deu nenhuma indicação de que apoia este movimento.

Friedman: “ingratidão” dos israelenses

De acordo com um relatório em hebraico da emissora pública Kan em junho, o embaixador dos EUA, David Friedman, reuniu-se recentemente com vários MKs e advertiu-os sobre o apelo público para uma mudança na política dos EUA em relação às Colinas de Golã.

O relatório o citou dizendo que os israelenses não entendem que os EUA têm interesses globais não relacionados ao Estado judeu, enquanto os políticos israelenses têm apenas uma agenda doméstica.

Em conversas privadas, Friedman teria dito aos políticos que, em vez de serem gratos depois que os EUA reconheceram Jerusalém, movendo sua embaixada para a cidade, os israelenses imediatamente pediram mais, mostrando o que ele chamou de “ingratidão”.

Fonte: World Israel News

Facebook Comments


Compartilhe
Close