BRASIL PREPARA MEDIDAS HUMANITÁRIAS PARA SERVIR VENEZUELANOS

As autoridades asseguram que as ações que serão aplicadas na fronteira são necessárias para atender um êxodo causado pela fome sofrida pelos venezuelanos

O presidente brasileiro, Michel Temer, reuniu-se quarta-feira com membros de seu gabinete para projetar uma ação humanitária na fronteira com a Venezuela, a fim de encontrar milhares de imigrantes que fogem da crise no país.

“Esta é uma ação de apoio a imigrantes (…) necessárias para satisfazer um êxodo que é causada pela fome sofrendo hoje venezuelanos”, disse o ministro da Segurança Institucional do Brasil, Sergio Etchegoyen, um dos participantes do reunião.

O Brasil se sente obrigado a enfrentar o enorme fluxo migratório, que nos últimos meses levaram cerca de 40 mil venezuelanos a se instalarem em Boa Vista, capital do estado fronteiriço de Roraima, que já tinha cerca de 320 mil habitantes.

Etchegoyen disse que a situação é muito séria e que o governo brasileiro deve garantir a acolhida daqueles que chegaram da Venezuela, mas também a atenção social de toda a população, o que ressentiu a chegada dos imigrantes.

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, também participou da reunião; e o ministro da Defesa, Raúl Jungmann, que acompanharam o presidente Temer na segunda visita à cidade de Boa Vista juntamente com a Etchegoyen

Jungmann reiterou que as Forças Armadas ampliarão sua presença na fronteira com a Venezuela; No entanto, ele esclareceu que não será para impedir que os venezuelanos chegam, mas para exercer um melhor controle sobre essa área e identificar as necessidades daqueles que chegam.

Ele também disse que em Pacaraima, que marca a fronteira com a Venezuela e é o principal ponto de entrada dos venezuelanos, um militar hospital de campanha serão instalados para auxiliar a rede pública de saúde da cidade, que tem apenas 10.000 habitantes, cujos serviços foram dominados pela imigração maciça.

Os ministros indicaram que essas medidas serão revogadas em um decreto que será publicado nesta quinta-feira.

Fonte: El Nacional

 

Você pode gostar...