google.com, pub-9763613062442243, DIRECT, f08c47fec0942fa0

O MENINO AGUARDANDO NO CREMATÓRIO

Eu vinha de Sasebo para Nagasaki e olhei em volta de uma colina. Homens caminhando com máscaras brancas chamaram minha atenção. Os homens trabalhavam para além de um grande buraco de cerca de 60 cm de profundidade. Eles estavam colocando os cadáveres em um buraco para cremação. Então, eu vi um rapaz de cerca de dez anos caminhando em direção a eles.

Ele tem seu irmãozinho bebê amarrada nas costas dele. Naqueles dias, era muito comum no Japão para ver jovens rapazes carregando seu irmãozinho ou irmãzinha em suas costas enquanto a jogar no campo. Mas esse rapaz não estava aqui para jogar. Ele tinha um importante dever para vir a este forno crematório. Você pode ver em seu rosto. E ele estava descalço.

O rapaz veio até a borda do crematório. A cara dele é rígida e os olhos se preparando para uma provação. O bebê nas costas parece estar num sono profundo e sua cabeça está curvada para trás. O rapaz ficou ali por cinco ou dez minutos. Então os homens com máscaras brancas foram em sua direção  e começaram a desamarrar a correia dele. Neste momento, eu percebi que o bebê que ele transportava estava morto.



Os homens gentilmente retiraram-no lentamente e o colocaram para dentro do buraco onde as pedras quentes eram lançadas. Eu podia ouvir o som de vapor, a carne do bebê estava queimando. Então um clarão vermelho brilhante dançou no ar. A cor vermelho brilhante, como o pôr do sol estava refletindo sobre o rosto do rapaz porque ele ficou ali ainda.

Naquele momento, eu percebi que o rapaz estava a mordendo o lábio até sangrar. Ele estava mordendo com força quandoolhva para o seu irmão mais novo em chamas. Quando o fogo acabou, o rapaz virou-se contra os calcanhares e deixou o local em silêncio.

Entrevista de Joe O’Donnel a Seiko Sueda.

Foto: “O menino aguardando no crematório”1945, Nagazaki – Joe O ‘ Donnell (Fuzileiro Naval)

Facebook Comments


Compartilhe
Close