RELATÓRIO HOLANDÊS SOBRE VOO MH17 É CONSTESTADO POR INVESTIGAÇÃO RUSSA

O relatório divulgado, hoje, por especialistas do governo da Holanda, aponta para o míssil do sistema de defesa antiaéreo BUK, de fabricação russa, como o causador da queda do Boeing da Malaysian Airlines (voo MH17), que fazia a rota Amsterdã – Kuala Lumpur. No momento em que a aeronave foi abatida, sobrevoava a região em conflito de Donbass na Ucrânia.
 
O relatório não pôde afirmar, entretanto, se o míssil era um 9M38M1 que é versão mais atualizada e que, segundo o governo russo só é operado por suas forças ou um míssil 9M38, versão mais antiga, que é operada apenas pelas forças ucranianas. Os fragmentos da ogiva que foram encontrados na fuselagem do Boeing são do tipo, 9N314M, que pode ser encontrada nos dois tipos de mísseis.
 
Esses dados foram fornecidos pela empresa russa que desenvolveu o sistema antiaéreo BUK, a Almaz-Antey, que nesse ano já havia divulgado um relatório.
 
Segundo o relatório holandês não houve impacto direto. O míssil explodiu próximo a cabine dos pilotos, o que é algo bastante comum, já que esse tipo de míssil funciona por impacto ou através de um espoleta de aproximação.
Por Graan Barros

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *