google.com, pub-9763613062442243, DIRECT, f08c47fec0942fa0

DIRCM – UMA DAS CONTRAMEDIDAS DO KC-390 “CONDOR”

Foto: Captura de tela do vídeo do primeiro voo do KC-390
O DIRCM (Directional Infrared Countermeasures) é um sistema de contramedidas, ou seja, de autodefesa, que, equipado em uma aeronave de combate, como é o nosso cargueiro, KC-390 Condor*, cega com um laser de alta potência o “autodiretor” ou “seeker” (sistema óptico-eletromecânico rastreador de alvos, neste caso, detector infravermelho de calor) de um míssil que tenha sido lançado contra ela.
Os mísseis que têm esse tipo de guiagem,  por atração passiva infravermelha são normalmente lançados do ombro dos combatentes (manpads) e detectam ondas na faixa de 3 a 5 µm (micrometro).
Entre eles está o Igla-S de fabricação russa e o Stinger da norte-americana,  Raytheon que aparece na foto ao lado, mostrando as suas partes internas. O sistema DIRCM que equipará o cargueiro KC-390 é fabricado pela AEL Sistemas S/A.

Outro tipo de contramedida que estará disponível no KC-390 é o tradicional “flare”, que é uma “isca” incandescente de magnésio que tem como função atrair para sí o autodiretor do míssil inimigo imitando o calor gerado pelo motor da aeronave.

No excerto de um vídeo da Mectron podemos ver como o autodiretor do A-Darter acompanha o movimento de um emissor IR. Observamos também a altíssima manobrabilidade do futuro míssil ar-ar de curto alcance do Gripen E.



*Em alguns lugares já vimos o KC-390 com o nome Condor.
 



Por Graan Barros
Facebook Comments


Compartilhe
Close