google.com, pub-9763613062442243, DIRECT, f08c47fec0942fa0

ROGOZIN ESTAVA CERTO?

 

 
Segundo a matéria do Defesanet desta semana, os acordos assinados entre o Brasil e EUA, durante a viagem da presidente Dilma a Washington, semana passada, trariam uma série de restrições ou condicionantes a futuras parcerias de empresas brasileiras com países que não sejam o próprio EUA.
 
As restrições teriam como alvo principal a Rússia, país que sofre sanções econômicas promovidas pelos EUA e União Europeia, por uma suposta influência e ajuda nos movimentos separatistas na Ucrânia. 
 
Uma das empresas que não poderiam fazer parcerias com a Rússia seria a Embraer Defesa e Segurança. A menção ao nome da empresa localizada em São José do Campos, como sujeita aos interesses dos EUA, parece corroborar o que afirmou ironicamente, o Vice-premier russo, Dmitry Rogozin, quando ele esteve no Brasil em dezembro de 2014, e teve sua visita à empresa vetada.
 
Afirmou Rogozin: 
“There is no distress at all. There’s only a very strange impression that Embraer doesn’t want to expand its business. We were going to propose the joint production of a civilian aircraft. Embraer is, in fact, a North-American company, we understand that. But we’re still going to try and establish ourselves in the Brazilian aeronautical market.”
 
Traduzindo o trecho em negrito em bom português:Embraer é, de fato, um companhia Norte-Americana, nós entendemos isso.”. 
 
Será?
 
Graan Barros
Facebook Comments


Compartilhe
Close