MIG-31 SERÁ O VETOR DE LANÇAMENTO DO “BUREVESTNIK”, MÍSSIL DE CRUZEIRO DE PROPULSÃO NUCLEAR DA RÚSSIA?

  • MIG-31

De acordo com fontes de inteligência dos EUA, os testes russos sobre mísseis de cruzeiro de propulsão nuclear falharam. No entanto, o embaixador dos EUA na Otan declarou subitamente que os EUA destruiriam os mísseis que a Rússia construiu em violação do tratado sobre armas nucleares de alcance intermediário.

Explicações:

Um país que tem mísseis de cruzeiro com propulsão nuclear pode pressionar os Estados que estão tentando invadir o país. Tal drone pode patrulhar áreas povoadas de um estado inimigo por dias, sem a defesa do estado inimigo ter artilharia antiaérea (AAe) para derrubá-lo. Há uma base racional para a ação do inimigo: derrubar o drone pode levar a apenas um resultado: uma catástrofe nuclear em seu território.

O Berlin Air Show (a exposição da Força Aérea) aconteceu em abril de 2018. França e Alemanha anunciaram que a Airbus, empresa que constrói o Eurofighter que arma a Força Aérea Alemã e a Dassault Aviation, fabricante dos Rafale, que equipam a Força Aérea Francesa, começaram a conceber um novo avião de combate de quinta geração. Por causa do Brexit, o Reino Unido não foi chamado para o projeto. Em julho de 2018, a empresa norte-americana Lockheed Martin fez um F-35 realizar um vôo. Em 2 de julho de 2018, Yuri Borisov, vice-ministro da Defesa da Federação Russa, declarou que o avião russo Su-57 não era uma prioridade e que apenas 12 deles haviam sido encomendados pelo exército russo. Consequentemente, a fabricação em massa foi adiada. Neste contexto, a questão é colocada:

No início de 2018, uma das prioridades da Rússia era modernizar 10 aviões supersônicos com ação de longo alcance. Então MiG-31 BM, foi transformado em MiG-31 BP para lançar os mísseis anti-navio Kh-47M2 Kinzhal. Este tipo de míssil tem um alcance de 2.000 km e sua missão é atingir porta-aviões e porta-helicópteros. No entanto, o escudo dos ABMs dos EUA na Romênia, Polônia, Coréia do Sul e Alasca são alvos certos para o míssil KhzMach KH-47M2 (veja a foto abaixo). Em 2017, Tarasenko, diretor da empresa MiG, declarou à Sputnik que planejava substituir o MiG-31 pelo novo avião MiG-41 de 5ª geração, capaz de voar a Mach 4.3.

JPEG - 37,8 kb

Por que a modernização de um avião que não é fabricado desde 1994 subitamente se tornou uma prioridade? O MiG-31 BM foi concebido para interceptar os primeiros aviões de alerta (AWACS), armados com mísseis R-37 (com um alcance mais amplo: 384 km). Depois disso, o avião foi adaptado para interceptar os mísseis de cruzeiro voando a baixa altitude. O radar a bordo do MiG-31 BM contém a topografia do terreno sobrevoado na memória da placa digital do microprocessador. Isto permite comparar e distinguir a presença de mísseis de cruzeiro. O MiG-31 é limitado, porque não é um avião multi-função, capaz de realizar movimentos de combate aéreo; é um avião para dois (piloto e operador de armas) capaz de patrulhar a alta altitude por duas horas.

O Mig-31 pesa 46 toneladas na decolagem, possui um tanque interno de combustível, uma capacidade de 12,8 t, velocidade máxima de Mach 2,83 (3.000 km / h) e é capaz de voar a uma altitude de 20,6 km. O avião é revestido em ligas contendo titânio resistente ao calor cinético gerado pelo vôo de alta velocidade. O MIG-31 BM possui um sistema retrátil de reabastecimento em vôo, na fuselagem. Durante um exercício realizada no verão de 2016, um MiG-31 BM voou por sete horas, de Krasnoïarsk a Astrakhan, percorrendo uma distância de 8.000 km com três ReVo (reabastecimento em voo). O Mig-31 BM é a plataforma ideal para aumentar o alcance dos mísseis ar-terra. Isso se deve à velocidade inicial e à baixa densidade do ar na altitude em que o lançamento ocorre.

Todos forma pegos de surpresa quando, em 2 de outubro de 2018, o embaixador dos EUA na OTAN, Bailey Hutchison Kay, convidou a Rússia a interromper seu programa de mísseis de cruzeiro, alegando que violava o Tratado de Mísseis de Alcance Intermediário (INF). e seus aliados interviriam com o uso da força. Ao mesmo tempo em que essa declaração foi feita, a mídia ocidental publicou fotos de um MiG-31 BM, registrado como “81 Blue”, carregando sob sua fuselagem um novo tipo de míssil, do qual nada sabemos (ver foto abaixo). A força aérea foi fotografada na base aérea de Joukovski e é concebida para testar novamente os tipos de armas, e não possui pontos duros para carregar armas sob as asas, como na configuração do MiG-31 BP.

JPEG - 45,5 kb

No que diz respeito ao novo míssil transportado pelo MiG-31, mesmo que seja um míssil nuclear de alcance intermédio IRBM (3 000 a 5 500 km), está fora do alcance do tratado INF. O escopo deste tratado é limitado a mísseis baseados no solo. Devido à elevada velocidade inicial e altitude do MIG-31, um míssil nuclear com um campo de ação comparável ao de um míssil de alcance intermédio (8 000 km) não deve ter uma massa superior a 7 – 9 toneladas. A título de comparação, um IRBM lançado do solo pesa mais de 25 toneladas.

Havia especulações de que o misterioso míssil seria uma versão modernizada do Kontakt 79M6, o míssil anti-satélite em três estágios, que pode atingir uma altitude de 600 km. O míssil também tem a capacidade de interceptar mísseis balísticos na fase de cruzeiro. A partir de 1987, o Kontakt foi testado em dois MiG-31 D modificados (um dos quais está registrado como “072 Blue”). O Kontakt tem 7,25 m de comprimento, pesa 7 toneladas e foi lançado de uma altura de 15 a 18 km, de um Mig-31 D voando a uma velocidade de 2 120 a 2 230 km / h. Mas após o colapso da URSS, o programa foi abandonado e os aviões e mísseis que faziam parte dele se juntaram a um museu.

JPEG - 41,5 kb

Assim, o MiG-31 BM registrou “81 Blue”, pode ser capaz de transportar qualquer tipo de míssil, incluindo mísseis anti-satélite.

Em 1 de março de 2018, o Presidente Vladamir Putin fez um discurso anunciando que a Rússia havia testado o míssil de cruzeiro Burevestnik 9M729 / 9M730. Este míssil de cruzeiro tem propulsão nuclear [1] e, como tal, não está restrito em sua capacidade de manobra nem em seu alcance. Este míssil tem um alcance que seria pelo menos dez vezes maior que o do Tomohawk. Isso permitiria que a Rússia contornasse as zonas de defesa do AAe e atacasse qualquer alvo no mundo. Os EUA estariam totalmente indefesos contra esse tipo de arma porque, atualmente, os EUA não têm uma força contrária e não têm um plano para conceber esse tipo de míssil de cruzeiro em um futuro próximo ”

JPEG - 54 kb

Os testes de Burevestnik provavelmente ocorreram no polígono de Nenoksa, na região de Arkhangelsk. O míssil 9M730 com um motor com combustíveis sólidos é lançado de uma rampa. Seu motor começa a propulsar durante o vôo. Em teoria, o motor nuclear é simples: não inclui peças em movimento e não precisa de reservas massivas de combustíveis. O ar penetra na entrada do míssil de cruzeiro, atinge um reator nuclear e é aquecido a uma temperatura de cerca de 1 400 – 1600 ° C. É então liberado através do bútio e impulsiona o veículo.

No entanto, as vantagens de usar esse tipo de míssil são minimizadas pelos riscos que podem representar. Os dois principais riscos são: a possibilidade de uma fissura ocorrer em vôo e o reator perder seu isolamento. Como consequência, durante os voos de teste, o míssil de cruzeiro foi acompanhado por dois aviões de carga (Il-76). Estes aviões foram colocados pela empresa Rosatom e convertidos em laboratórios equipados com material para detectar radiação, e equipamentos para encontrar o alcance da trajetória do míssil (SKIP) funcionando por canais de comunicação via satélite. O avião era Il-976.

JPEG - 30,7 kb

Citando fontes anônimas do Pentágono, os canais de notícias de TV Fox News e CNBC declararam que a inteligência americana havia seguido quatro testes russos em mísseis de cruzeiro com propulsão nuclear, realizados entre novembro de 2017 e fevereiro de 2018. Todos os testes terminaram no Ártico.

Há uma desconexão entre as declarações feitas nas emissoras de televisão por fontes da Inteligência dos EUA e a ordem emitida na forma de um pedido que Kay Bailey Hutchinson estendeu à Rússia. Foi somente se a Rússia tivesse conseguido em seus testes no míssil Burevestnik que o embaixador dos EUA na Otan informasse que os Estados Unidos farão tudo o que estiver ao seu alcance para impedir que esse programa se desenvolva mais. Por outro lado, se os resultados dos testes de Burevestnik não foram positivos, que interesse tem a Rússia em adaptá-lo ao MiG-31 BM? Pois o misterioso foguete carregado pelo MiG-31 BM não se parece com o Kinzhal; o perfil do nariz não é feito para vôos em velocidade hipersônica, mas sim para vôos em velocidade subsônica, como todos os mísseis de cruzeiro. No extremo oposto,

JPEG - 49,7 kb

Fonte: Voltaire Network

Facebook Comments
Compartilhe