ESTALEIRO INDIANO “GRSE” REVELA DESIGN PARA PROGRAMA BRASILEIRO DE CORVETAS

  • O projeto de corveta de 109 m, 2.800 toneladas proposto pela GRSE para o projeto de corveta de classe Tamandaré da Marinha do Brasil é uma variante de sua proposta para o programa de fragata da Marinha das Filipinas. O projeto básico do navio é baseado na corveta de guerra anti-submarino Projeto 28 da GRSE em serviço com a Marinha Indiana

O estaleiro naval indiano Garden Reach Shipbuilders & Engineers (GRSE) revelou seu conceito de design para o programa corveta de classe Tamandaré da Marinha do Brasil.

O estaleiro de Kolkata se uniu à israelense Elbit Systems Ltd para o fornecimento de sistemas de combate e à empresa local Sinergy Group Corporate (proprietária do estaleiro EISA) para formar um consórcio para o projeto de quatro navios Tamandaré, que tem um orçamento estimado de US $ 1. 6 bilhões.

A oferta da GRSE é uma variante do projeto de corveta de classe Kamorta modificada (Projeto 28) previamente proposto para o projeto de fragata da Marinha das Filipinas. A versão básica está em serviço com a Marinha Indiana.



As especificações básicas incluem um comprimento de 109 m, um deslocamento de 2.800 toneladas, uma velocidade máxima de 25 kt e um complemento de 136. Os sistemas de combate incluem um sistema de gerenciamento de combate da Elbit, um kit de comunicações e guerra eletrônica da Thales, sensores Leonardo, armas. e torpedos, mísseis Exocet e Aster 30 da MBDA, lançadores Terma decoy, sistema de sonar canadense e sistemas fornecidos pela empresa brasileira Ares.

GRSE será responsável pelo design e suporte técnico, incluindo a modernização do estaleiro e gestão do programa, mas não fornecerá qualquer material diretamente, uma fonte da indústria próxima ao assunto disse Jane . “O plano é fornecer o máximo de equipamentos brasileiros para essas corvetas”, disse ele.

Enquanto o escritório de gerenciamento de projetos da Marinha do Brasil, a EMGEPRON, lançou um conceito de design conceitual para a corveta, o projeto atual pode ser bem diferente. O Brasil pretende encomendar os navios entre 2022 e 2025. A frota não pretende substituir nenhum navio existente, mas sim criar uma nova classe de navios, de acordo com a Marinha.

A GRSE é um dos nove consórcios industriais que concorrem ao projeto corveta de quatro navios Tamandaré. Os outros estaleiros em jogo são a Goa Shipyard Limited, a BAE Systems, a Damen, a Fincantieri, o Naval Group, a ThyssenKrupp Marine Systems, a STM da Turquia e a Ukrinmash, segundo anúncio da Diretoria de Gerenciamento de Programas da Marinha do Brasil em 18 de junho.

Fonte: Jane’s 360

Mrityunjoy Mazumdar

Facebook Comments


Compartilhe