A ASSEMBLÉIA GERAL EXIGE QUE TODOS OS ESTADOS CUMPRAM AS RESOLUÇÕES DA ONU SOBRE STATUS DE JERUSALÉM

  • Painéis no Salão da Assembléia Geral que mostram a contagem final para a resolução sobre o status de Jerusalém, durante a Reabertição da 10ª Sessão Especial de Emergência

21 de dezembro de 2017 – Por uma esmagadora maioria, os Estados membros da Assembléia Geral das Nações Unidas na quinta-feira “exigiram” que todos os países cumpram as resoluções do Conselho de Segurança sobre o status de Jerusalém, na sequência de uma decisão anterior dos Estados Unidos de reconhecer a Cidade Santa como a capital de Israel.

Através de uma resolução aprovada por voto registrado de 128 votos a favor de 9 contra e 35 abstenções, a Assembléia de 193 membros expressou “profundo arrependimento” em relação às recentes decisões sobre o status de Jerusalém e enfatizou que a Cidade Santa “é uma questão de status final para serem resolvidos através de negociações de acordo com as resoluções relevantes da ONU “.

A ação na Assembléia hoje segue uma tentativa errada do Conselho de Segurança na segunda-feira, adotar um texto semelhante que reflita o arrependimento entre os membros do corpo sobre “recentes decisões sobre o status de Jerusalém”, com veto dos Estados Unidos, um membro permanente do Conselho .



Antes daquela resolução fracassada, Nickolay Mladenov, Coordenador Especial para o Processo de Paz no Oriente Médio, disse ao Conselho de Segurança que a situação de segurança em Israel e no Território Palestino Ocupado tornou-se mais tensa na sequência da decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, em 6 de dezembro de reconheça Jerusalém como a capital de Israel.

Posteriormente, o Iémen e a Turquia, nas suas respectivas funções de Presidente do Grupo Árabe e Presidente da Cúpula da Organização da Cooperação Islâmica, solicitaram ao Presidente da Assembléia Geral que “retome urgentemente” a décima sessão extraordinária de emergência do General Assembléia de acordo com o chamado procedimento “Unindo para a paz”.

Este procedimento, de acordo com a resolução 377 (1950) da Assembléia, é um caminho em torno de um veto do Conselho de Segurança. Por isso, a Assembléia pode convocar uma sessão especial de emergência para considerar uma questão “com o objetivo de fazer recomendações adequadas aos membros para medidas coletivas”, se o Conselho de Segurança não atuar ou se houver falta de unanimidade entre os membros permanentes do Conselho, China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos.

Desde a décima reunião deste tipo, a Assembléia suspendeu temporariamente a sessão extraordinária de emergência e autorizou o “Presidente da Assembléia Geral […] a retomar sua reunião a pedido dos Estados Membros”, permitindo uma rápida consideração pelo corpo de questões urgentes.

mais recente sessão de emergência retomada foi em 2009, quando a Assembléia convocou uma reunião sobre Jerusalém Oriental e o Território Palestino Ocupado.

As resoluções da Assembléia não são vinculativas e não possuem a força do direito internacional, como as medidas acordadas no Conselho de Segurança.

A resolução de hoje exigiu que “todos os Estados cumpram as resoluções do Conselho de Segurança relativas à Cidade Santa de Jerusalém e não reconheçam ações ou medidas contrárias a essas resoluções”.

A Assembléia Geral afirmou ainda que “todas as decisões e ações que pretendem ter alterado o caráter, status ou composição demográfica da Cidade Santa de Jerusalém não têm efeito legal, são nulas e não devem ser rescindidas em conformidade com as resoluções relevantes da Segurança Conselho.”

A este respeito, a Assembléia também exortou todos os Estados a absterem-se do estabelecimento de missões diplomáticas na Cidade Santa de Jerusalém, em conformidade com a resolução 478 do Conselho de Segurança, aprovada em 1980.

Reiterando o seu apelo à reversão das tendências negativas que põem em perigo a solução dos dois Estados, a Assembléia instou a um maior esforço e apoio internacional e regional visando alcançar sem demora uma paz abrangente, justa e duradoura no Oriente Médio.

Fonte: UN News Centre

Gosta do nosso trabalho? Contribua com DOAÇÕES a partir de R$ 10,00!


Facebook Comments


Compartilhe