AMRJ PARTICIPA DE PAINEL SOBRE NAVIOS PATRULHA NO CLUBE NAVAL

  • Palestra do Contra-Almirante Liberal no Clube Naval
  • NPa 500 BR
O Diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ), Contra-Almirante, engenheiro naval, Liberal Enio Zanelatto, foi um dos palestrantes convidados para o Painel “Construção de Navios Patrulha para a Marinha do Brasil”, promovido pelo Clube Naval no dia 26 de outubro visando ao incentivo à indústria de construção naval brasileira.
Palestra do Contra-Almirante Liberal no Clube Naval
O Contra-Almirante Liberal ressaltou o histórico de construção de Navios Patrulha no AMRJ e apresentou as características do projeto do Navio Patrulha de 500 toneladas (NPa 500BR), realizando uma comparação com a Classe “Macaé”. Para o Diretor do AMRJ, “a construção do NPa 500BR no Arsenal significaria a retomada da construção militar de navios de superfície, com a manutenção e atualização do conhecimento das equipes técnicas, de planejamento e gerência de projetos”.

Navio Patrulha Classe Macaé P-70 “Macaé”

Uma publicação compartilhada por ESTRATÉGIA GLOBAL BLOG (@graanbarros) em



Além da palestra do Diretor do AMRJ, o evento contou ainda com exposições de representantes do Sindicato dos Estaleiros de Construção Naval Brasileiros e Offshore (SINAVAL) e da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), seguidas de debates.
Fonte: Marinha do Brasil

Navio-Patrulha Oceânico Brasileiro

De acordo com a Doutrina Básica da Marinha (DBM), o NPaOc será empregado, prioritariamente, em ações de Patrulha Naval (PATNAV) a fim de contribuir para a garantia da soberania nacional e a fiscalização do cumprimento de leis e regulamentos em AJB e no alto-mar, de acordo com os tratados, convenções e atos internacionais ratificados pelo Brasil.

Adicionalmente, poderá ser empregado no levantamento das características ambientais das prováveis áreas de atuação do Poder Naval, na defesa de portos e de áreas marítimas restritas, na segurança das instalações costeiras e de plataformas de exploração e explotação de petróleo no mar e em missões SAR. Também poderá apoiar outros órgãos governamentais na Defesa Civil, de acordo com legislação específica, na preservação do meio ambiente e na repressão às atividades ilícitas que se processem nas AJB, com ênfase à pesca ilegal, ao contrabando e ao narcotráfico.

TAREFAS BÁSICAS

Em Situação de Conflito

O NPaOc deverá ter capacidade de contribuir:

  • nas tarefas afetas às Operações de Esclarecimento, relacionadas à vigilância e defesa do litoral, de áreas marítimas costeiras e das plataformas de exploração/explotação de petróleo no mar, complementando as ações das Forças Navais;

  • para o cumprimento da tarefa de Controle de Área Marítima (CAM), em áreas críticas ou indispensáveis à segurança de objetivos considerados prioritários;

  • na Defesa de Porto;

  • nas Operações de Interdições Marítimas; e

  • para a realização de Operações Especiais.

 Em Situação de Paz

exercer a fiscalização das AJB por meio de ações de PATNAV, visando ao resguardo de seus recursos naturais e econômicos, em conformidade com a legislação brasileira;

  • prestar o apoio às atividades afetas à Inspeção Naval;

  • contribuir com a manutenção da Consciência Situacional nas AJB no que concerne ao acompanhamento de passagens inocentes de navios mercantes, ao trânsito de navios de guerra e de Estado estrangeiros e ao cumprimento da legislação brasileira em geral;

  • fiscalizar as atividades de pesquisa realizadas nas AJB;

  • contribuir para a segurança das instalações costeiras e plataformas de exploração/explotação de petróleo no mar, contra ações terroristas e de sabotagem vindas do mar;

  • colaborar com os órgãos governamentais na Defesa Civil, de acordo com a legislação específica, na preservação do meio ambiente e na repressão às atividades ilícitas que se processem nas AJB, em especial às voltadas para a pesca ilegal, o contrabando, o narcotráfico e a poluição do meio ambiente marinho;

  • contribuir com as operações de retomada e resgate de plataformas e instalações navais;

  • contribuir com o levantamento das características ambientais das prováveis áreas de atuação do Poder Naval;

  • contribuir com as atividades SAR, na área de responsabilidade do Brasil; e

  • contribuir com a Diplomacia Preventiva por meio de participação em missões sob a égide das Nações Unidas.

CARACTERISTICAS VALORES
Comprimento 95 m
Boca Moldada 12 m
Calado Carregado <5 m
Deslocamento Carregado 1800t
Velocidade Máxima > 22 nós
Velocidade de Cruzeiro 12 nós
Raio de Ação 4.000 mn
Autonomia 25 dias

Fonte: Centro de Projetos Navais

Facebook Comments
Compartilhe