COM O IRÃ SEM ARMAS NUCLEARES, TRUMP AGORA MIRA A INFLUÊNCIA DO PAÍS PERSA NO ORIENTE MÉDIO

  • trump e irã
  • Discurso de Houhani após Trump
  • para o blog
  • dieta 21 dias
  • dieta 21 dias

Apesar da CIA, através do chefe da inteligência John Brennan [1], do Pentágono, através do secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis [2] e dos Aliados Europeus afirmarem que o Irã paralisou o seu programa de desenvolvimento de armas nucleares, com o acordo promovido pelo P5+1 assinado no governo Obama em 2015, o presidente norte americano, Donald Trump retomou a sua retórica belicista contra o país persa.

Há poucas horas, Trump voltou a afirmar que o Irã é um país que promove o terrorismo e que precisa ser detido. Infelizmente, o presidente dos EUA não enxerga e nem admite que dar dinheiro e armamentos a chamada, “oposição moderada”, que tenta desde 2011 derrubar o presidente sírio, Bashar Al-Assad, seja considerado financiar o terrorismo.[3]

trump e irã



Logicamente, Trump já percebeu que os EUA e Coalizão perderam a guerra na Síria e que os vencedores são: Assad, Rússia, Irã e o Hezbolah. Consciente disso, agora tenta evitar que o país persa, mesmo sem armas nucleares, consiga aumentar a sua influência no Oriente Médio.

A Reação Iraniana

Discurso de Houhani após Trump

O presidente iraniano se pronunciou oficialmente após o discurso de Trump. Falando, ao vivo, para a população do seu país, o Dr. Hassan Houhani afirmou[4]:

Ele [Donald Trump] aparentemente não leu o direito internacional. Como um presidente pode cancelar um tratado que seja um documento multilateral e, em certo sentido, internacional, como foi aprovado nas Nações Unidas? Ele aparentemente não sabe que este não é um documento bilateral entre o Irã e os Estados Unidos, no qual ele pode agir da maneira que ele bem entender.

Em outro ponto do discurso, o presidente Houhani relembra a tradição americana de patrocinar golpes mundo afora, e em particular, no próprio Irã:

Mesmo antes da Revolução Islâmica, os Estados Unidos patrocinaram um golpe contra o governo democraticamente eleito do Irã em 1953, mostrando assim sua constante inimizade histórica com a democracia e seu apoio aos ditadores.

Por Graan Barrosdieta 21 dias

Facebook Comments
Compartilhe