ESCÂNDALO ABALA CONFIANÇA NO EXÉRCITO ALEMÃO

  • Foto Christof Stache AFP

Escândalo abala confiança no Exército alemão

Caso de tenente da Bundeswehr suspeito de planejar ataques contra políticos pró-imigração levanta questões sobre presença de extremismo de direita nas Forças Armadas. Cai índice de aprovação da ministra da Defesa.

Um levantamento publicado nesta quinta-feira (11) revelou uma queda expressiva da confiança dos alemães na Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha). O resultado da enquete foi divulgado dias após vir à tona um escândalo envolvendo um tenente alemão que se fez passar por refugiado sírio e é suspeito de planejar ataques terroristas de extrema direita.



De acordo com a pesquisa Deutschlandtrend da emissora alemã ARD, cerca de 49% dos alemães têm uma confiança ” forte” ou “muito forte” no Exército, 10 pontos percentuais a menos que em julho do ano passado. Também foi de 49% a parcela dos que expressaram “pouca ou nenhuma” confiança na instituição.

Da mesma forma, caíram significativamente os índices de aprovação da Ministra da Defesa, Ursula von der Leyen (CDU). Cerca de 58% dos entrevistados se declararam menos ou nada satisfeitos com o trabalho da ministra, enquanto que 38% se disseram “muito satisfeitos” ou “satisfeitos” – 16 pontos percentuais a menos do que em abril deste ano.

A pesquisa sugere ainda que a maioria (65%) percebe uma falta de liderança no Exército, com 25% sendo da opinião contrária. Cerca de 35% acreditam que ideias de extrema direita são mais difundidas na Bundeswehr do que no resto da sociedade, contra 58% que discordam. Para a pesquisa, foram entrevistadas mil pessoas entre segunda e quarta-feira desta semana.

Possível rede terrorista

Após o recente escândalo, aumentaram os receios em relação a um suposto extremismo de direita observado na Bundeswehr, sobretudo após o tenente Franco A. ser detido no final de abril sob a acusação de planejar ataques. A suspeita é de que ele teria como alvo uma série de políticos pró-imigração, incluindo o ex-presidente Joachim Gauck e o atual ministro da Justiça, Heiko Maas.

A prisão de Franco A. elevou a pressão sobre Von der Leyen, que já era alvo de críticas após denúncias de uma série de abusos sexuais cometidos dentro da instituição. O caso também levantou questões sobre falhas nos procedimentos de asilo na Alemanha, que foram incapazes de detectar que o militar operava sob uma falsa identidade como refugiado sírio.

O caso de Franco A. é apenas um entre 280 suspeitas de envolvimento de militares com o extremismo de direita sob investigação por parte da inteligência da Bundeswehr. Dezoito militares já foram expulsos das Forças Armadas. “Mesmo que fosse só um caso, já seria demais”, afirmou um porta-voz.

O tenente já havia chamado a atenção das autoridades em fevereiro, ao ser preso após esconder uma pistola no banheiro do aeroporto de Viena, na Áustria. As autoridades austríacas alertaram as alemãs, e as impressões digitais do suspeito revelaram que ele se registrou e viveu vários meses como refugiado sírio. Investigadores trabalham com a hipótese de que ele teria planejado um ataque terrorista para, possivelmente, colocar a culpa em refugiados. Uma lista de alvos já teria sido localizada.

Nesta terça-feira, promotores federais anunciaram a detenção de mais um militar suspeito de planejar um “sério ataque contra a segurança nacional” com motivação de extrema direita. De acordo com o portal Der Spiegel, um soldado da Bundeswehr de 27 anos identificado como Maximilian T. foi detido perto da cidade de Kehl, no estado de Baden-Württemberg. Autoridades suspeitam que ele seja cúmplice de Franco A.

O chefe do Estado-Maior da Bundeswehr, general Volker Wieker, iniciou este ano uma série de reformas estruturais na Bundeswehr após o escândalo dos abusos sexuais envolvendo um centro de treinamento das forças de operações especiais alemãs no sul do país. Von der Leyen exonerou no mês passado um general encarregado das investigações por não conseguir avançar no caso.

Fonte: DW, via “OGlobo”

 

Facebook Comments
Compartilhe