O FUTURO MINISTRO DA DEFESA DO BRASIL SERÁ UM JUDEU

O Brasil mais do que os Estados Unidos é um caldeirão, a verdadeira nação de Raça Cósmica, e por isso é importante considerar as origens deste ou daquele político. No entanto, no presente contexto tenso das relações internacionais e tendo em conta as reações da imprensa israelense, é importante abordar as origens do futuro Ministro da Defesa do Brasil, Jaques Wagner e seu posicionamento comunidade. 
Jaques Wagner, o atual governador do estado da Bahia, é filho de imigrantes judeus poloneses, é ele mesmo nunca escondeu o seu compromisso com a causa sionista desde a adolescência. Na idade de 15 anos ele já estava ativo no movimento Habonim Dror. Em 2009 a aproximação política entre Brasil e Irã transformou o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad em “inimigo de Israel ” e renovou seu compromisso sionista: “O Estado de Israel está aqui para ficar, porque (Israel) possui ​​direitos ilanienáveis de ocupar a terra da Palestina”. 

Ele é uma dos fundadores históricos do PT e uma das figuras do Lulismo e sindicalismo histórico e radical brasileiro. Um tempo atrás chegou a ser cotado para assumir o cargo de diretor de Petrobras, a gigante petrolífera brasileira que atualmente está abalada por um escândalo de corrupção e que está enfrentando problemas pelo declínio nos preços do petróleo, o que lança dúvidas sobre a rentabilidade do Pré-Sal. Porém, a sua nomeação como Ministro da Defesa foi confirmado pela presidência brasileira. 
Fica difícil saber se a presidente brasileira escolheu para este posto-chave um petista histórico de esquerda, xiita, nas palavras brasileiras, por sua proximidade com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST ou se há uma “forte e clara” sinalização de que há uma mudança radical na política de defesa. 

Jaques Wagner vai especialmente gerenciar contratos internacionais de armas do Brasil. Empresas israelenses, pouco antes do segundo turno das eleições presidenciais, ganharam contratos para fornecer segurança para as Olimpíadas de 2016. Certamente, os israelenses vão ter um papel importante nos programas SISFRON (Exército) e  SisGAAz (Marinha).

O FUTURO MINISTRO DA DEFESA DO BRASIL SERÁ UM JUDEU SIONISTA.Título original
 
Fonte: Zebrastationpolaire
Facebook Comments
Compartilhe

1 Resultado

  1. André disse:

    Uma vergonha as FFAA ter como ministro da defesa um sionista, responsáveis pelo terrorismo no mundo. Já somos escravos dos sionistas há pelo menos 200 anos, e agora, nossas forças militares correm o risco de virar um cavalo de troia pró-ISISrael, tal como é os EUA.